Divulgação/ABC

Vitória de Chloé Zhao no Oscar 2021 é censurada na China

A vitória da cineasta chinesa Chloé Zhao no Oscar 2021 está sendo ignorada na China. Nascida em Pequim, ela venceu o Oscar de Melhor Direção e também o de Melhor Filme por “Nomadland”, mas nenhuma repercussão ao seu triunfo pode ser encontrada nesta segunda-feira (26/4) nas redes sociais chinesas.

Zhao se tornou a primeira asiática e segunda mulher a vencer o Oscar na categoria de melhor direção, além da primeira cidadã chinesa premiada pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos EUA.

A ausência de comemorações é deliberada. O Oscar deste ano não foi transmitido em nenhum lugar da China – inclusive em duas grandes plataformas de streaming, onde a cerimônia havia sido exibida ao vivo em anos anteriores. Até em Hong Kong, onde supostamente há mais liberdade, uma emissora importante optou por não exibir o Oscar pela primeira vez em mais de meio século.

O motivo não foi apenas a previsão de consagração de Zhao. O Oscar também irritou chineses nacionalistas por conta da indicação a “Do Not Split”, um filme de 35 minutos que narra os protestos pró-democracia de Hong Kong em 2019, que concorria ao prêmio de Melhor Documentário em Curta-metragem (acabou não ganhando).

Mas existe sim uma reação contrária à cineasta, iniciada logo após sua vitória no Globo de Ouro, no começo de março. Na ocasião, ela chegou a ser comemorada nas redes sociais chinesas e até recebeu homenagem da mídia estatal oficial como um “motivo de orgulho para a China”. Além disso, o lançamento de seu filme, “Nomadland”, foi aprovado para exibição nos cinemas locais em 23 de abril, véspera do Oscar, quando deveria ser recebido com grande fanfarra.

Entretanto, a consagração levou muitos a questionarem se ela era realmente chinesa e por qual motivo ela morava nos EUA. Blogueiros logo encontraram uma entrevista da cineasta à Filmmaker Magazine em 2013, onde ela descreveu sua criação na China como “um lugar onde há mentiras por toda parte”.

A revista já tinha deletado essa entrevista de seu site em meados de fevereiro, dias antes do anúncio da data de lançamento de “Nomadland” na China, sem maiores explicações. Mas os equivalentes a bolsominions chineses encontraram os rastros da declaração e não perdoaram a diretora, protestando em massa contra ela.

Quatro dias após Chloé Zhao vencer o Globo de Ouro já não era mais possível encontrar menções a seu nome e à “Nomadland” na internet chinesa.

A reação nacionalista levou a um apagamento da diretora e de seu filme nas redes sociais e uma completa censura à suas conquistas posteriores, com os pôsteres promocionais de seu filme retirados do Douban (um Facebook cultural). Tudo indica que “Nomadland” não vai mais ser exibido no país.

A rápida rejeição de Zhao demonstra como o sentimento nacionalista encontra-se difundido na China, um país em que as pessoas acreditam em tudo o que diz seu presidente, Xi Jinping, porque o contraditório é proibido. Zhao não fala criticamente da China desde que alcançou a fama, mas um único comentário feito há oito anos foi suficiente para destruir sua imagem e interromper o lançamento de seu filme em sua terra natal.

O Partido Comunista da China também viu problemas na comemoração de Zhao por conta de sua educação ocidental e privilegiada. A cineasta frequentou escolas na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, antes de finalmente se matricular na escola de cinema da Universidade de Nova York, experiência fora do alcance da maioria dos chineses, que a descredenciaria, no manual populista, a ser apresentada como uma história de sucesso chinesa.

Em toda a imprensa chinesa, apenas o Global Times, jornal nacionalista que expressa a opinião do Partido Comunista, manifestou-se em tom ameaçador sobre a conquista da diretora – em poucas linhas e sem destaque. Num artigo intitulado “’Nomadland’ lembra àqueles que foram pegos entre a rivalidade EUA-China para manter a fé”, o jornal descreve as vitórias de Zhao como “boas”, mas acrescenta: “Esperamos que ela [Zhao] possa se tornar mais e mais madura”.

O texto também observa: “O agravamento dos laços bilaterais está diminuindo o espaço para intercâmbios culturais entre os povos dos dois países. As pessoas que estão tentando explorar oportunidades neste campo encontrarão problemas e protestos nunca vistos no passado. Eles descobrirão que é difícil agradar aos dois lados.”

Para quem não entendeu a mensagem cifrada, ela foi direcionada à Disney, que neste ano pretende lançar na China sua próxima superprodução da Marvel, “Os Eternos”, dirigida justamente por Chloé Zhao. O PCC quer que a diretora “amadureça” (fale bem do governo chinês) para “agradar aos dois lados” (conseguir liberar o lançamento do filme no país).