Divulgação/Marvel Comics

Adolescente gay vai virar Capitão América nos quadrinhos

O Capitão América vai aparecer um pouco diferente nos novos quadrinhos da Marvel. O personagem será reintroduzido na minissérie “The United States of Captain America” (“Os Estados Unidos do Capitão América”, em tradução literal), que homenageará os 80 anos da criação do herói por Jack Kirby e Joe Shuster.

Na história, o escudo do Capitão América foi roubado e, para recuperá-lo, Steve Rogers reúne diversos heróis que assumiram o papel de Capitão América nos últimos anos para uma jornada pelos Estados Unidos, incluindo Bucky Barnes/Soldado Invernal, Sam Wilson/Falcão e John Walker/Agente Americano.

Por coincidência, os três escolhidos também estarão em “Falcão e o Soldado Invernal”, série que estreia na sexta (19/3) na Disney+ (Disney Plus) e também gira em torno do destino do escudo do Capitão América.

Nos quadrinhos, o escudo vai parar nas mãos de vários personagens, a começar por um adolescente gay chamado Aaron Fischer.

Aaron fará parte de um “multiverso do Capitão América”, que mostrará pessoas comuns assumindo localmente a identidade do herói, inspiradas por seus atos de coragem. A minissérie terá cinco edições e apresentará um novo Capitão a cada edição. Aaron será o primeiro, para homenagear o Mês do Orgulho LGBTQ+, em junho.

“Aaron é inspirado por heróis da comunidade queer: ativistas, líderes e pessoas comuns que lutam por uma vida melhor. Ele luta pelos oprimidos, os esquecidos. Eu espero que muitos leitores se identifiquem com essa história de origem. Que ela possa inspirar a próxima geração de heróis”, declarou o roteirista Josh Trujillo, criador do personagem com a artista trans Jan Bazaldua.

Ela afirmou ter adorado desenhar Aaron pela oportunidade de apresentar “uma pessoa abertamente gay” que ajuda “aqueles que são invisíveis para a sociedade”:

“O Capitão América enfrenta seres superpoderosos, mas o Aaron ajuda as pessoas que andam sozinhas nas ruas com problemas que elas enfrentam todos os dias. Eu adorei de verdade desenhá-lo e, como uma pessoa transgênero, estou feliz em poder apresentar uma pessoa abertamente gay que admira o Capitão América e luta contra o mal para ajudar aqueles que são quase invisíveis para a sociedade”, declarou.

Veja abaixo a capa da primeira edição da minissérie, com Aaron Fisher em destaque.