Divulgação/Globo

Woody Allen lamenta cancelamento e títulos “terríveis” de filmes no Brasil

Mesmo que eles o odeiem, Woody Allen disse que gostaria de rever os filhos Dylan e Ronan Farrow antes de morrer. A revelação foi feita na estreia da temporada deste ano do programa “Conversa com Bial”, da TV Globo, exibido na madrugada desta terça-feira (9).

Os dois filhos foram afastados do convívio de Allen por Mia Farrow quando ainda eram crianças, nos anos 1990, em meio às acusações de abuso sexual do diretor contra a filha adotiva.

“Estou aberto a encontrar com eles, ficaria feliz”, disse Allen no programa sobre os filhos.

O cineasta afirmou que não reconheceria a filha, que não vê há 25 anos. Sobre Ronan, único filho biológico que teve com Mia Farrow (apesar dela recentemente afirmar que o filho é de Frank Sinatra), relatou estar distante há 20 anos e ver apenas por fotos.

No programa, Bial lembrou as acusações contra o cineasta, que surgiram após ele se envolver com outra filha adotiva de Mia Farrow (mas não dele), Soon-Yi. Os dois estão casados desde 1997 e adotaram duas meninas (hoje adultas), que nunca reclamaram do pai.

Bial lembrou que o cineasta foi alvo de duas investigações rigorosas e independentes e ambas concluíram que não houve abuso por parte dele contra a filha.

No entanto, o caso voltou à tona recentemente, em meio ao movimento #MeToo, que originou uma campanha visceral de cancelamento contra Allen, com direito a artistas renegando suas participações em filmes do diretor, uma campanha que ainda tem novos ataques previstos, como uma vindoura minissérie documental produzida com apoio de Mia Farrow para a HBO.

A tentativa de calar Allen, sem deixá-lo se defender, foi tão forte que quando ele resolveu contar seu lado numa autobiografia, Ronan ameaçou a editora Hachette nas redes sociais, capacitando os funcionários da empresa a protestarem contra a publicação da obra, até a editora desistir do lançamento. O livro saiu por outra empresa.

Segundo Allen, quem participa de boicote contra ele está cometendo um erro. “Eles têm a impressão errada, é o que posso dizer.”

O diretor procura um meio-termo ao afirmar que o movimento feminista #MeToo fez bem para as mulheres, mas afirmou que elas precisam ter mais cuidado e certeza sobre os seus alvos.

Na entrevista, Allen também abordou a pandemia de coronavírus. “Não estou fazendo nada há dez meses”, disse, sobre como está lidando com a covid-19 em Nova York. Também contou que segue as recomendações da ciência e não foi diretamente afetado pelo vírus. Ele inclusive já tomou a primeira dose da vacina. Mas lamentou ter a rotina afetada pela necessidade de distanciamento social, considerando terrível ver lojas e restaurantes fechados.

Allen também comentou um antigo convite do prefeito Eduardo Paes, em seu primeiro mandato, para que viesse filmar no Rio de Janeiro. Ele repetiu o que disse na época, que tudo dependia de ter uma boa ideia que incluísse a cidade. O que é difícil, pois não conhece o Rio e tem na cabeça a imagem de um lugar charmoso e musical como nos filmes de Carmen Miranda.

Ele, entretanto, revelou ser fã de Machado de Assis. O diretor contou que passou a admirar o escritor brasileiro após ganhar o livro “Memórias Póstumas de Brás Cubas” de uma desconhecida. “Aquela moça me fez um grande favor.”

A entrevista se encerrou com outro tema brasileiro: as traduções, nem sempre felizes, dos títulos de filmes no Brasil. A reação de Allen ao ouvir de Bial a tradução de “Annie Hall”, de 1977, como “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa” chegou a virar meme nas redes sociais. “É um título terrível”, disse, entre desapontado e conformado.

O programa também atraiu a ira dos canceladores do Twitter nacional, inconformados com o “palco” dado a Woody Allen – repetindo nas redes sociais o que atualmente se vê em rede nacional no “BBB 21”.