blank Divulgação/Disney

Disney+ (Disney Plus) já tem quase 90 milhões assinantes

A Disney realizou um evento com investidores na noite desta quinta (10/12) para apresentar números e falar de seus planos de investimento em streaming.

Quando a empresa apresentou sua estratégia de streaming pela primeira vez, num evento similar em abril de 2019, previu que poderia atrair de 60 milhões a 90 milhões de assinantes nos primeiros cinco anos do serviço Disney+ (Disney Plus).

Pois logo no começo da nova apresentação, que durou quatro horas, o CEO do conglomerado, Bob Chapek, revelou aos investidores que esses números foram subestimados. A Disney+ (Disney Plus) já tem 86,8 milhões de assinantes… em apenas 13 meses.

A empresa lançou sua plataforma de streaming em 11 de novembro de 2019, com muito alarde. Mas embora o novo serviço tivesse pouca programação original, uma atração tornou sua assinatura obrigatória: “The Mandalorian”, primeira série live-action de “Star Wars”, que com o hype gerado por uma certa criança ajudou a impulsionar o serviço para mais de 10 milhões de inscrições nas primeiras 24 horas.

O serviço agora serve como a espinha dorsal de uma estratégia de streaming ainda em evolução na Disney, que também inclui o serviço Hulu nos EUA e a ESPN+ com foco em esportes.

Embora o streaming continue sendo um negócio caro – a divisão que cuida do setor perdeu US$ 2,8 bilhões em 2020, graças a investimentos iniciais pesados – , a empresa não poderia ter escolhido um momento melhor para mudar suas prioridades e redefinir seus métodos de distribuição. Apenas cinco meses após o lançamento do Disney+ (Disney Plus), grande parte do mundo mergulhou na pandemia de coronavírus e numa nova realidade de isolamento social, com cinemas fechados em vários países, transformou o streaming em estrela do entretenimento mundial.

A Disney foi forçada a suspender a produção de muitos de seus projetos, fechar seus parques temáticos e suspender o lançamento global de diversos blockbusters. O conglomerado também decretou cortes salariais e demitiu milhares de funcionários para estancar as perdas. Mas assim mesmo, foi um dos poucos estúdios de Hollywood a ter o que comemorar, com o sucesso de seus lançamentos em streaming e a chegada de seu serviço à Europa e América Latina – que ajudou a plataforma a atingir seus números elevados de assinaturas.

Agora, a Disney prepara novos e ousados voos, tendo atingido um estágio com o Disney+ (Disney Plus) que achou que chegaria apenas daqui a quatro anos.