Unsplash/Augusto Oazi

Cinemas voltam a fechar em São Paulo

O estado de São Paulo voltou a entrar na “fase vermelha” de combate ao coronavírus, levando a novo fechamento do comércio, cinemas e outras atividades, a princípio de forma escalona e restrita aos fins de semana. A decisão foi anunciada um dia após o filme “Mulher Maravilha 1984” lotar os cinemas brasileiros.

Ao todo, o longa da super-heroína levou 482 mil pessoas às salas de exibição, de acordo com um levantamento da Comscore. Foi o filme mais assistido entre quinta-feira e domingo (21/12), arrecadando R$ 8,44 milhões e sendo responsável por atrair 91% do público que foi ao cinema no fim de semana.

Essa popularidade, porém, já é um reflexo do abandono do isolamento social pela maioria da população brasileira.

Recente pesquisa Datafolha, divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo no sábado (19/12), apontou que o número de pessoas em isolamento no país recuou ao menor nível desde o início da pandemia de coronavírus. Como consequência, o Brasil voltou a registrar na semana passada números superiores a mil mortes por dia de covid-19. Só o estado de São Paulo teve um aumento de 54% nos casos confirmados, com salto, no número de mortes, de 34% no período.

Por conta desse aumento desmedido de circulação, as autoridades sanitárias decidiram agir. E “Mulher-Maravilha 1984” não terá um novo fim de semana lotado no estado de São Paulo.

O governo estadual anunciou nesta segunda-feira (22/12) que todo o comércio não essencial permanecerá fechado nos próximos dois fins de semana, em que acontecem, respectivamente, o Natal e o Ano Novo.

A determinação permite apenas o funcionamento dos serviços essenciais, como farmácias, padarias e mercados. Restaurantes e bares sofrerão restrições, e shoppings, estádios, cinemas, teatros, galerias, academias, atividades culturais em geral e eventos que geram aglomeração ficarão proibidos de funcionar.

A exceção da regra é a região de Presidente Prudente, que regrediu para a fase vermelha por tempo indeterminado. Ou seja, por lá tudo ficará fechado inclusive nos dias de semana.

Uma nova reclassificação será anunciada no começo de janeiro, mas pode apontar ainda maior recrudescimento.

Segundo o secretário-executivo do comitê de contenção do novo coronavírus, João Gabbardo, as restrições ao comércio nos próximos fins de semana são “uma sinalização para a população”. “E essa sinalização pode ser um prenúncio de alguma coisa que pode acontecer mais adiante. Se nós, com esses resultados, não conseguirmos ter uma redução de casos e internações e continuarmos com essa pressão no sistema de saúde, é possível que mais para frente tenhamos que tomar outras medidas”, adiantou.