Divulgação/Campo Cerrado Produções

Valentina é o grande vencedor do Festival Mix Brasil

O Festival Mix Brasil anunciou neste domingo (22/11) os vencedores de sua 28ª edição, dando grande destaque para “Valentina”, de Cássio Pereira dos Santos, que foi premiado duplamente como Melhor Filme, tanto pelo júri quanto pelo público.

Além do Coelho de Ouro, premiação máxima do festival, e o Coelho de Prata do Público, “Valentina” também recebeu prêmios de Melhor Interpretação, vencido pela atriz Thiessa Woinbackk, e de Melhor Roteiro, escrito pelo diretor do filme.

O longa fez sua estreia mundial em agosto no Outfest Los Angeles, onde Thiessa Woinbackk também recebeu o Grande Prêmio de Melhor Interpretação. No Brasil, a première aconteceu na recente Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que consagrou o longa como Melhor Filme na escolha do público, além de rende uma menção honrosa do júri para a atriz Thiessa Woinbackk.

O filme conta a história de uma jovem trans que se muda para o interior de Minas com a mãe, Márcia (Guta Stresser), para um recomeço. Com receio de ser intimidada na nova escola, a garota busca mais privacidade e tenta se matricular com seu nome social. No entanto, a menina e a mãe começam a enfrentar dilemas quando a escola começa a exigir, de forma injusta, a assinatura do pai ausente (Rômulo Braga) para realizar a matrícula.

Os produtores descrevem “Valentina” como “um retrato esperançoso e inspirador das dificuldades da vida real enfrentadas por uma jovem que busca abraçar quem ela é”.

“Foi um longo caminho para criar o roteiro e descobrir a linguagem cinematográfica mais apropriada para ‘Valentina’, sete anos de trabalho até chegarmos ao resultado final”, disse o diretor Cássio Pereira dos Santos, em comunicado.

A consagração do trabalho reforça os esforços de uma nova geração de cineastas brasileiros, que estão se notabilizando por inovar as representações da sexualidade e identidade no cinema, especialmente com temática trans, por meio de uma abordagem afirmativa e inspiradora.

O elenco e equipe do longa também foram compostos em grande parte por membros da comunidade LGBTQI+, a começar pela protagonista Thiessa Woinbackk, influencer digital que estreia no cinema. Também vale ressaltar que canção original do filme, “Eu Nasci Ali”, é uma parceria da banda paranaense Tuyo (responsável pela trilha do longa) com a cantora e compositora Xan, outro talento trans envolvido na produção.

Para chegar nas telas, o filme produzido de forma independente pela Campo Cerrado Produções contou com o apoio da Secretaria do Audiovisual e do edital de Longas de Baixo Orçamento de 2016 (SAV/Ancine), em parceria com o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). Por sinal, é importante ressaltar que o apoio financeiro aconteceu durante outro governo.

O atual governo brasileiro, ao contrário, não apoia “este tipo” de filme e, desde que assumiu o comando da política cultural nacional, ninguém mais viu a cor da verba do FSA.

Por isso, para lançar “Valentina” nos cinemas os produtores estão organizando uma campanha de financiamento coletivo na internet. Os recursos arrecadados serão usados para ações de divulgação e esforços de distribuição, com o objetivo de levar o filme a mais cidades e espectadores. Para apoiar a campanha, basta acessar o link www.catarse.me/valentinafilme

Veja abaixo o trailer do vencedor do Festival Mix Brasil e a lista completa com todos os premiados.

Vencedores do Festival Mix Brasil 2020
Coelho de Ouro – Prêmio do Júri da Mostra Competitiva Brasil

Melhor Longa-Metragem Brasileiro: “Valentina”, de Cássio Pereira dos Santos
Melhor Curta-Metragem Brasileiro: “A Mordida”, de Pedro Neves Marques

Coelho de Prata – Prêmio do Júri da Mostra Competitiva Brasil de Longas

Melhor Direção: Coraci Ruiz, por “Limiar”
Melhor Roteiro: Cássio Pereira dos Santos, por “Valentina”
Melhor Interpretação: Thiessa Woinbackk, por “Valentina”
Menção Honrosa: “Mães do Derick”, de Dê Kelm

Coelho de Prata – Prêmio do Júri da Mostra Competitiva Brasil de Curtas

Melhor Direção: Victor di Marco e Márcio Picoli, por “O que Pode um Corpo?”
Melhor Roteiro: Matheus Farias e Enock Carvalho, por “Inabitável”
Melhor Interpretação: Luciana Souza, por “Inabitável”
Menção Honrosa: Castiel Vitorino Brasileiro, de “Inabitáveis”

Coelho de Prata – Prêmio do Público

Melhor Longa-Metragem Nacional: “Valentina”, de Cássio Pereira dos Santos
Melhor Longa-Metragem Internacional: “Pequena Garota”, de Sébastien Lifshitz (França)
Melhor Curta-Metragem Nacional: “Letícia, Monte Bonito, 04”, de Julia Regis
Melhor Curta-Metragem Internacional: “Cauda de Sereia”, de Alba Barbé i Serra (Espanha)
Prêmio Canal Brasil de Curtas: “Inabitáveis”, de Anderson Bardot

Prêmio SescTV: “O que Pode um Corpo?”, de Victor di Marco e Márcio Picoli
Bolsa Ateliê Bucareste: Julia Leite, pela fotografia de “Letícia, Monte Bonito, 04”