Divulgação/Paramount Pictures

Teaser de Clifford, O Gigante Cão Vermelho gera reação negativa dos fãs do desenho

A Paramount deve estar se sentindo como a Sony quando lançou o primeiro trailer de “Sonic – O Filme”. A reação do público ao teaser da versão live-action de “Clifford, O Gigante Cão Vermelho” foi de rejeição ao visual oficial do seu protagonista.

O estúdio revelou a versão live-action do personagem, conhecido por ilustrações clássicas e desenhos animados, em um teaser em que o cachorro vermelho gigante aparece após uma sequência de pets. “Clifford chega aos cinemas no próximo ano, mas hoje estamos comemorando os animais de estimação que nos inspiram um grande amor”, escreveu a conta oficial do filme para introduzir a criatura.

Descomunal e avermelhado, o bicho, que provavelmente é da raça labrador, não gerou as reações esperadas, parecendo mais assustador que fofo na apresentação. O problema aconteceu porque o estúdio optou em retratá-lo por meio de uma animação computadorizada realista, deixando-o muito diferente da figura que ficou conhecida em desenhos 2D.

O site The Wrap disse que o anúncio de Clifford próximo ao dia de ações de graças, nos Estados Unidos, não é motivo de graça nenhuma. “Não estamos dando graças por esta monstruosidade visual do cão do tamanho de um monstro”, escreveu.

Já uma seguidora achou que o cão rolou em meio a um salgadinho para ficar vermelho. “Por que Clifford parece que rolou em pó de cheetos picante?”.

Melhor um cheetos que sangue, como afirmou outro: “Isto não é Clifford, é um cachorro coberto de sangue”.

Teve também quem comparasse Clifford com o novo filme de “Tom e Jerry”, que é igualmente live-action, mas preservou o visual tradicional dos personagens. “Um fez certo”, afirmou.

E até quem considerou que “‘Clifford’ pode ser o filme que matará as adaptações realistas de personagens de desenhos animados”.

O consenso, porém, é que o visual do cachorro não é para filme infantil e sim para filme de terror. “Assustador pra diabo”, “Ele parece desejar minha alma” e “um terror disfarçado” foram algumas das reações ao design computadorizado do bicho. “Ele já está coberto de sangue de seus inimigos e ainda não acabou”, descreveu uma internauta de forma alarmante.

Mas as comparações podem ser ainda piores. Houve quem considerasse o projeto como uma sequência de “Cats”, o desastre computadorizado do ano.

O filme baseado no personagem do desenhista Norman Bridwell (1928–2014) foi escrito por David Ronn e Jay Scherick, que já tinham levado os Smurfs ao mundo live-action em dois longa-metragens (em 2011 e 2013). Já a direção ficou a cargo de Walt Becker, que também teve experiência anterior com bichinhos animados em live-action, no filme “Alvin e os Esquilos: Na Estrada” (2015).

A estreia está marcada para daqui a um ano, em novembro de 2021.