Divulgação/Michael J. Fox Foundation

Michael J. Fox anuncia aposentadoria como ator

O ator Michael J. Fox, estrela de “De Volta para o Futuro”, anunciou que irá se aposentar da atuação. É a segunda vez que ele toma esta decisão. O ator de 59 anos sofre do Mal de Parkinson, e já havia dado uma pausa na carreira no início da década de 2000, quando estrelava a série “Spin City”, devido à doença.

A decisão foi oficializada por Fox em seu quarto livro de memórias, “No Time Like the Future: An Optimist Considers Mortality” (Não há tempo como o futuro: um otimista considera a mortalidade”), lançado esta semana nos Estados Unidos.

Na obra, ainda sem previsão de publicação no Brasil, ele afirma que seu tempo de se dedicar a “12 horas de trabalho diárias e memorizar sete páginas de diálogos ficou para trás”.

“Isso pode mudar, porque tudo muda. Mas, se este é o fim da minha carreira de ator, que seja”, acrescenta ele, que relata ter notado recentemente um aumento na perda de memória e nos episódios de confusão causados pela doença.

Há menos de duas semanas, o ator já tinha dito, em entrevista à revista People, que os sintomas de Parkinson começaram a prejudicar a sua memória, o que iria impedir a continuidade de sua carreira como ator.

“Minha memória de curto prazo está destruída”, disse ele. “Eu sempre tive uma capacidade real para decorar falas e memorização. E eu tive algumas situações extremas nos últimos trabalhos que fiz, que foram realmente cheios de palavras. Eu me esforcei durante os dois”, acrescentou o vencedor do Emmy, referindo-se à sua participação em dois episódios da série “The Good Fight”.

A doença de Parkinson é um distúrbio do sistema nervoso que afeta o movimento. Não há causa conhecida, e as complicações podem incluir problemas cognitivos, de deglutição e distúrbios do sono.

Diagnosticado em 1991, aos 29 anos, o ator só revelou a doença sete anos depois. Em 2000, anunciou que abandonaria o papel principal na série “Spin City”, sendo substituído por Charlie Sheen. No novo livro, ele conta que decidiu abdicar do trabalho ao sentir que seu rosto “não era mais tão expressivo como precisava”.

Após a pausa na carreira, Fox continuou fazendo pequenas aparições, principalmente como ele mesmo, e atuando como dublador. Em 2010, passou a integrar o elenco recorrente da série “The Good Wife”, pela qual foi indicado cinco vezes ao Emmy. Ele retomou o mesmo papel recentemente no spin-off “The Good Fight”.

No novo livro, o ator também cita sua experiência à frente de “The Michael J. Fox Show”, sitcom de 2013 em que interpretava um ex-âncora de telejornal vítima de Parkinson. A série foi cancelada ainda na 1ª temporada e Fox relata que sentiu que os executivos da série ficaram “assustados” com o avanço de sua doença. Ele ainda afirma que, à época, “não tinha o foco para administrar o suporte de vida de que precisaria para fazer o trabalho.”

O último papel que ele desempenhou foi seu mais famoso, Marty McFly, da trilogia “De Volta para o Futuro”, reencenado numa participação no novo clipe de Lil Nas X, “The Origins of ‘Holiday'”.

Apesar de seu diagnóstico, Fox se recusa a desacelerar. Ele está focando sua criatividade na escrita, como demonstra o lançamento de seu quarto livro.

“Minha técnica de violão não está boa. Meus desenhos não são bons, minha dança nunca foi boa e atuar está ficando cada mais difícil de fazer. Mas eu posso escrever”, brincou Fox, na entrevista à People. “Felizmente, eu realmente gosto disso.”

O astro acrescentou que seu otimismo o ajudou a “atravessar os tempos mais sombrios”.

“A vida é boa”, concluiu.