Divulgação/Warner

Gal Gadot será Cleópatra em filme da diretora de Mulher-Maravilha

A estrela e a diretora da “Mulher Maravilha” vão se juntar novamente em outro filme focado numa mulher poderosa: Cleopatra. Gal Gadot vai estrelar a nova cinebiografia da rainha do Egito, que terá direção de Patty Jenkins.

A produção é da Paramount Pictures e se baseia num roteiro original de Laeta Kalogridis (roteirista de “Alita: Anjo de Combate” e criadora da série “Altered Carbon”). A Paramount venceu ofertas de vários interessados, da Apple à Netflix, e pretende dedicar um grande orçamento para as filmagens.

Ou seja, este não é projeto que se arrasta há exatamente uma década na Sony, baseado no best-seller “Cleopatra: A Life”, de Stacy Schiff, que deveria ser estrelado por Angelina Jolie (“Malévola”) e, após negociações em 2017, dirigido por Denis Villeneuve (“Blade Runner 2049”).

Envolvido na franquia “Duna”, que terá continuação e um spin-off em streaming, Villeneuve não estará disponível para filmagens imediatas, fazendo com que a produção da Sony desmorone e desapareça no deserto de ideias de Hollywood sob a maldição faraônica da procrastinação.

Com o filme de Cleópatra, Gadot e Jenkins vão se juntar pela terceira vez. Além do primeiro “Mulher-Maravilha” de 2017, elas filmaram “Mulher-Maravilha 1984”, que por enquanto tem previsão de lançamento para dezembro deste ano.

Mas este projeto ainda pode enfrentar turbulências. Em meio à pressão cada vez maior por inclusão racial, a escalação de uma nova Elizabeth Taylor (atriz branca) na pele de uma rainha africana tem potencial para ser muito questionada, ainda que esteja historicamente correta – Cleópatra pertencia à dinastia Ptolomeu, cujos membros eram gregos macedônicos.

Só que há outro complicador específico na escalação de Gal Gadot. O fato dela ser israelense não deve ser menosprezado, pois Egito e Israel têm diferenças políticas e religiosas históricas. Imaginem a recepção do filme no Egito… Logicamente, o longa nem sequer poderá ser filmado no país, sob o risco de atrair protestos e ser considerado, desde antes da estreia, uma afronta.