Divulgação/Berlinale

Festival de Berlim reconhece oficialmente que seu fundador era nazista

A direção do Festival Internacional de Cinema de Berlim reconheceu, pela primeira vez, que Alfred Bauer, primeiro diretor do festival, era nazista. Ele atuou como conselheiro do Reichsfilmintendanz, órgão criado por Joseph Goebbels em 1942 para controlar a produção cinematográfica na Alemanha.

Em fevereiro deste ano, a Berlinale encomendou um estudo ao Instituto Leibniz de História Contemporânea, após a mídia alemã revelar a atuação de Bauer junto ao regime nazista. Segundo um comunicado divulgado pelo festival nesta quarta-feira, a pesquisa comprovou que Bauer se juntou a várias organizações nacionalistas a partir de 1933, tendo se tornado membro oficial do Partido Nazista em 1937.

Além disso, o comunicado afirma que, após o fim da 2ª Guerra Mundial, Bauer tentou ocultar sua participação no governo de Adolf Hitler por meio de declarações “deliberadamente falsas” e “meias-verdades”. Depois de censurar o cinema alemão, adequando-o à máquina de propaganda comandada por Goebbels, ele fundou festival, criado, ironicamente, como parte do processo de reconstrução da identidade alemã, sendo responsável pelas edições que aconteceram entre 1951 e 1976. Bauer lançou o evento como “uma mostra do mundo livre”.

“As novas descobertas, agora cientificamente pesquisadas, sobre as responsabilidades de Alfred Bauer no Reichsfilmintendanz e seu comportamento no processo de desnazificação são surpreendentes. No entanto, eles constituem um elemento importante no processo de lidar com o passado nazista de instituições culturais que foram fundadas após 1945”, disse a diretora executiva da Berlinale, Mariette Rissenbeek.

O festival decidiu abolir o prêmio que leva o nome de Bauer. A partir de 2021, o troféu será transformado em um Grande Prêmio do Júri, integrando a lista de Ursos de Pratas entregues aos melhores filmes.