Michael B. Jordan pede maior pressão para empresas contratarem profissionais negros

O ator Michael B. Jordan discursou num protesto antirracista no sábado (6/6), em meio aos prédios das agências de talentos de Los Angeles, em que usou exemplos de sua carreira para apontar os próximos passos do movimento, destacando a pressão para que as empresas, incluindo os estúdios de Hollywood, invistam mais em profissionais e até executivos negros.

Ao destacar os papéis que o fizerem refletir sobre injustiça e desigualdade racial, ele começou com o personagem que o projetou, Oscar Grant, em “Fruitvale Station: A Última Parada” (2013). “Oscar Grant foi morto pela polícia numa estação de trem em Oakland”, disse Jordan, lembrando que a história realmente aconteceu. O papel lhe deu a “oportunidade de sentir a dor de sua família, sua filha e sua mãe”, continuou o ator. “Eu vivi com isso por muito tempo e isso me pesa”.

Ao citar a adaptação do clássico sci-fi “Fahrenheit 451” (2018), de Ray Bradbury, ele disse: “A produção desse filme me fez realmente perceber tudo que o governo e os opressores farão para manter o conhecimento fora de suas mãos”.

Ele ainda citou o papel de Eric Killmonger em “Pantera Negra” e principalmente teve a “honra” de interpretar Bryan Stevenson em “Luta por Justiça”. “E ao vivê-lo, aprendi suas táticas. Aprendi sua mentalidade. Aprendi sua abordagem das coisas. Muito calmo. Muito estratégico. Muito atencioso. Você deve estar próximo das questões”.

Foi nesse ponto em que demonstrou o caminho a seguir.

“O que estamos fazendo hoje fará com que nossos valores sejam ouvidos e nossas vozes sejam ouvidas. Temos que continuar agitando as coisas. Não podemos ser complacentes. Não podemos deixar esse momento passar por nós, temos que continuar a colocar o pé no pescoço deles”, disse sobre o movimento antirracista, relembrando a morte de George Floyd por asfixia, sob o pé de um policial branco, que gerou comoção mundial.

Veja a íntegra do discurso abaixo.