Divulgação/Universal

Adiamento de 007: Sem Tempo Para Morrer pode gerar despesa extra de até US$ 50 milhões

O adiamento do lançamento de “007: Sem Tempo Para Morrer” em seis meses, transferido de abril para novembro, custará ao estúdio MGM entre US$ 30 e 50 milhões. Segundo apurou o site The Hollywood Reporter, os valores correspondem a gastos de publicidade já dispendidos para anunciar a estreia em abril, incluindo um comercial milionário no Super Bowl, e os custos adicionais que serão necessários para divulgar a nova data.

A produtora Eon Productions acertou o adiamento com a MGM nos EUA e a Universal no mercado internacional após fãs lançarem campanha pedindo a mudança, devido ao perigo de contágio pelo coronavírus nas salas fechadas de cinema.

O 25º filme da franquia do agente secreto James Bond é o primeiro grande blockbuster afetado pelo vírus que já se espalhou por todo o mundo – apesar da OMS (Organização Mundial de Saúde) ainda não considerar o contágio uma pandemia.

O adiamento também foi motivado por problemas de outro tipo de saúde: a financeira. Hollywood já começa a perceber uma queda grande nas bilheterias de locais com maior taxa de incidência da covid-19, o coronavírus, como China, Itália, França, Suíça, Japão, Hong Kong e Coreia do Sul. Estes lugares contribuíram com cerca de 38% da bilheteria total do último filme da franquia, lançado em 2015.

Por isso, apesar da despesa extra, não adiar o lançamento poderia causar prejuízo maior.

Com direção de Cary Joji Fukunaga (“Beasts of No Nation”), “007: Sem Tempo Para Morrer” marcará a despedida de Daniel Craig como o agente secreto 007 e também traz em seu elenco Lea Seydoux, Ben Whishaw, Naomie Harris, Ralph Fiennes e Christoph Waltz, todos vistos em “007 Contra Spectre”, além de Rami Malek (“Bohemian Rhapsody”), Ana de Armas (“Blade Runner 2049”) e Lashana Lynch (“Capitã Marvel”), que estreiam na franquia.

A data do lançamento no Brasil foi remanejada para 19 de novembro, uma semana antes dos EUA.