A Menina que Matou os Pais: Suzane von Richthofen tentou impedir produção do filme

A presidiária Suzane von Richthofen, condenada a 39 anos de prisão pelo assassinato dos próprios pais, tentou impedir a produção de dois filmes que abordam seus crimes. A revelação foi feita pelo jornal O Globo neste domingo. Em processo que correu em segredo na Comarca de Angatuba (SP), ela acionou a produtora Santa Rita, responsável por “A Menina que Matou os Pais” e “O Menino que Matou Meu Pais”, mas acabou perdendo. O caso foi julgado improcedente.

A justiça deu ganho de causa à produtora, amparada em decisão do Superior Tribunal Federal (STF) de 2015, que liberou a criação de biografias sem autorização prévia. Baseados nos autos do processo que condenou Suzane e os Cravinhos, os longas tiveram advogados acompanhando cada etapa.

Recentemente, a detenta, que vive em regime semiaberto na Penitenciária Feminina de Tremembé (SP), também tentou proibir o livro “Suzane: Assassina e Manipuladora”, de Ulisses Campbell. E da mesma forma se viu frustrada. O STF liberou a obra, que vendeu mais de 20 mil exemplares desde janeiro.

Em entrevista ao jornal carioca, a escritora e criminóloga Ilana Casoy, uma das autoras dos roteiros – e única civil a participar da reconstituição oficial do crime – , disse que seria muito difícil encontrar motivo para impedir a realização do filme, porque não há “sequer um evento inventado”. “Não usamos fofoca, ‘ouvi dizer’. É difícil ganhar ação contra a gente, vão alegar o quê?”, explicou.

Ela também contou que, foi ao ler o processo, como pontos divergentes nos relatos do ex-casal, que percebeu que existiam duas histórias muito diferentes para serem contadas. E isso gerou a decisão de criar roteiros para dois filmes distintos, cada um com uma visão distinta – muitas vezes opostas – para os mesmos fatos.

Os longas têm direção de Mauricio Eça (“Carrossel: O Filme”) e roteiros escritos por Raphael Montes (“Praça Paris”) em parceria com Ilana Casoy

Os dois filmes (de 80 minutos cada) serão exibidos alternadamente nas mesmas salas de cinema. A expectativa é de um lançamento em 600 telas, no dia 2 de abril, mas a Galeria Distribuidora já pretende começar a fazer pré-estreias pagas, com ingressos valendo para a sessão dupla, a partir da semana que vem.

A estratégia de lançamento simultâneo é inédita no Brasil, mas não mundialmente. Em 2013, o filme “Dois Lados do Amor” (Eleanor Rigby) foi lançado em duas versões – “Ele” e “Ela” – , contando o mesmo romance sob os pontos de vistas distintos dos personagens vividos por Jessica Chastain e James McAvoy. Mas depois da exibição em festivais e de um lançamento limitado nos EUA, os dois filmes foram condensados numa terceira obra, que juntou os dois pontos de vista para distribuição no mercado internacional – esta versão unificada foi que a chegou ao Brasil em 2014.