Divulgação/Naughty Dog

Adaptação do game Uncharted perde seu sexto diretor

Uma das últimas “notícias velhas de 2019” confirma que o game “Uncharted” perdeu seu diretor. Esta notícia é velha, porque já foi publicada antes em 2019. E muitas outras vezes desde que a produção foi anunciado pela Sony há uma década.

Um dos projetos que mais sofre com idas e vindas do estúdio, o filme de “Uncharted” se arrasta desde 2010. Seu diretor mais recente, Travis Knight (“Bumblebee”), era o sexto da fila e não aguentou a indefinição sobre o cronograma de filmagens, que mudou várias vezes, e acabou juntando-se à lista de desistências da produção. Após o filme ter seu lançamento adiado (novamente), Knight decidiu fazer outro projeto, em vez de ficar em compasso de espera.

A razão do novo adiamento teria sido a determinação da Sony de priorizar outro longa com o ator Tom Holland, contratado para estrelar “Uncharted” há… 31 meses! Apesar da programação prévia, o estúdio resolveu filmar primeiro o próximo “Homem-Aranha”, que estreia em julho de 2021.

Travis Knight substituía Dan Trachtenberg (“Rua Cloverfield, 10”), que desistiu da produção em agosto. Trachtenberg, por sua vez, tinha substituído Shawn Levy (“Uma Noite no Museu”), que deixara o projeto em dezembro passado devido… aos mesmos conflitos de agenda. Antes dele, a adaptação ainda esteve a cargo de David O. Russell (“Trapaça”), Neil Burger (“Divergente”) e Seth Gordon (“Baywatch”), uma variedade ampla de estilos.

Este ecletismo se deve à indefinição em relação à própria história do filme.

A primeira versão do roteiro foi escrita por Thomas Dean Donnelly e Joshua Oppenheimer (dupla dos péssimos “Dylan Dog e as Criaturas da Noite” e “Conan, o Bárbaro”) logo que o projeto foi anunciado, e jogada no lixo assim que se mostrou exatamente o que se esperava. Em seguida, a Sony encomendou novo texto ao casal Marianne e Cormac Wibberley (“A Lenda do Tesouro Perdido”), que decidiu se focar numa suposta família do protagonista. A ideia também foi descartada após “mudança de direção criativa” – a saída do diretor David O’Russell, que queria escalar Mark Wahlberg no papel principal, Scarlett Johansson como sua irmã e Robert De Niro como o pai da dupla.

Fãs do game não gostaram da ideia da “família Uncharted” e isto levou à criação de nova história por Mark Boal (“Operação Fronteira”). Nesta versão, o protagonista estaria em busca da cidade de El Dorado, mas para chegar lá precisaria competir com mercenários e criaturas mutantes que defenderiam o local.

Não rolou. E outro roteiro foi escrito pelo cineasta Joe Carnahan (“A Perseguição”).

Entregue há três anos, o roteiro “definitivo” também precisou ser refeito após o produtor Tom Rothman ter a inspiração de fechar com Tom Holland (o Homem-Aranha) para viver o papel principal, encantado com o sucesso de “Homem-Aranha: De Volta ao Lar”.

As mudanças foram radicais, porque o personagem descrito por Carnahan era um adulto veterano. De fato, fãs do jogo clássico do PlayStation podem ter dificuldades para entender a escalação, já que o protagonista é um arqueólogo de cerca de 30 anos e Holland ainda passa por estudante colegial nos filmes da Marvel.

Talvez o plano do estúdio seja adiar o filme indefinidamente, até Holland atingir a idade certa.

Para quem não conhece, o game acompanha as aventuras do arqueólogo Nathan Drake, que segue as pistas do seu antepassado Sir Francis Drake numa caça a relíquias místicas ao redor do mundo.

Com Holland a bordo, a Sony desistiu de adaptar os jogos já lançados da franquia. Em vez disso, pretende fazer um prólogo, centrado na juventude do protagonista. Na história, Drake seria um jovem ladrão e teria seu primeiro encontro com o caçador de tesouros Victor Sullivan, que se torna seu mentor.

O roteiro dessa versão foi escrito por Jonathan Rosenberg e Mark Walker, uma dupla que nem sequer tem currículo de roteiristas. Mas não tem problema. Já foi pro lixo.

A dupla Art Marcum e Matt Holloway (de “Homem de Ferro” e “MIB: Homens de Preto – Internacional”) juntou-se a Rafe Judkins (da série “Agents of SHIELD”) para assinar o novo roteiro “final”, quando Travis Knight foi contratado.

Mas, como houve mudanças na direção, o próximo cineasta pode optar por uma novo “novo roteiro”.

Detalhe: todo esse trabalho de pré-produção é pago. Todos os roteiros descartados custaram dinheiro, assim como os contratos de reserva de mercado com os diretores. Esta despesa ainda vai entrar no orçamento final da produção, mas, nesta altura, “Uncharted” já é um dos filmes mais caros jamais feitos.

O mais impressionante é que, uma década depois do anúncio de sua produção, ainda não há – óbvio que não há – previsão de estreia.