Homem que chamou Fernanda Montenegro de “sórdida” é o novo Secretário da Cultura do Brasil



O presidente da República Jair Bolsonaro, que não cansa de demonstrar seu verdadeiro apreço pela cultura brasileira, nomeou o dramaturgo Roberto Alvim para o cargo de secretário especial de Cultura. A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União nesta quinta-feira (7/11).

Alvim exercia cargo de diretor do Centro de Artes Cênicas da Funarte (Fundação Nacional de Artes) e conquistou a simpatia do presidente quando, em setembro, usou seu Facebook para atacar e xingar a atriz Fernanda Montenegro, de 89 anos. Na publicação, o dramaturgo usou palavras como “sórdida” para descrever a estrela, grande patrimônio da cultura nacional e única atriz do país já indicada a um Oscar.

O ataque gratuito foi consequência da capa da edição de outubro da revista literária Quatro cinco um, em que Fernanda é retratada como uma bruxa sendo queimada em uma fogueira de livros. A imagem é uma metáfora da forma como o governo Bolsonaro lida com a cultura. A “promoção” do incendiário Alvim apenas confirma a atualidade e a força da imagem.

Em seu ataque a maior diva viva do teatro, cinema e TV do Brasil, Alvim também chamou a “classe artística que está aí” de “corja”, “podre”, “canalha” e responsável por deturpar “os valores mais nobres de nossa civilização, propagando suas nefastas agendas progressistas, denegrindo nossa sagrada herança judaico-cristã”. Por conta disso, afirmou que não pretendia dialogar, ameaçando retaliações. “Não há dialogo possível”.

Ele acaba de ganhar mais poder para fazer isso.


Importante lembrar ainda que o presidente da Funarte, Miguel Proença, foi demitido por Bolsonaro após afirmar ao jornal O Globo ter ficado “completamente chocado” com as palavras de Alvim.

Alvim assume o cargo no mesmo dia em que o presidente jogou a atual Secretaria da Cultura em outra pasta, tirando-a do Ministério da Cidadania para transformá-la em linha auxiliar do Ministério do Turismo. Assim, o homem que considera os artistas podres e canalhas estará subordinado ao ministro Marcelo Álvaro Antônio, denunciado pelo Ministério Público Federal por envolvimento no escândalo de corrupção que é chamado pelo próprio Bolsonaro de “laranjal” do PSL.

Na quarta, o antigo Secretário de Cultura, o economista Ricardo Braga, foi exonerado do cargo para assumir um novo posto no governo. Ele esteve à frente da pasta por menos de três meses, após seu antecessor, Henrique Pires, pedir demissão, afirmando que preferia “cair fora” a “ficar e bater palma para censura”, aludindo a perseguição do governo às produções de temática LGBTQ+.

Com Alvim, Jair Bolsonaro põe mais lenha em sua fogueira cultural e parte para o confronto, no momento em que seu nome aparece ligado a uma investigação de assassinato e seus filhos surgem em outras investigações criminais.

Enquanto isso, Fernanda Montenegro volta a representar o país no Oscar, integrando o elenco de “A Vida Invisível”, candidato brasileiro a uma vaga na disputa de Melhor Filme Internacional na premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings