Sony teria censurado comédia Greed, que critica a indústria milionária da moda


O diretor Michael Winterbottom (“O Assassino em Mim”) revelou ter sido forçado a cortar do seu novo filme “Greed” referências “potencialmente prejudiciais” a nomes como Beyoncé e Jennifer Lopez.

Sátira que traz Steve Coogan como um multimilionário inspirado pelo presidente do Arcadia Group, Sir Philip Green, o filme teria sofrido uma série de cortes para proteger as “relações corporativas” da Sony, revelou o cineasta em entrevista ao jornal inglês The Guardian.

O filme se passa durante a festa de aniversário de 60 anos de um podre de rico da indústria da moda, enquanto um jornalista investiga as condições de semi-escravidão dos funcionários das fábricas asiáticas responsáveis por tamanha riqueza.

Originalmente, o filme terminava com uma lista de marcas que lucravam com salários baixos de trabalhadores em fábricas asiáticas, mas Winterbottom afirmou que Laine Kline, chefe da Sony Pictures International, que cofinanciou o filme e o distribui globalmente, ordenou que essas referências fossem removidas.

“Não vamos mencionar marcas individuais ou milionários pois estamos preocupados com os possíveis danos às relações corporativas da Sony com essas marcas e pessoas”, disse Winterbottom ao jornal, acrescentando que o filme também citava pessoas como Beyoncé, Stevie Wonder, Robbie Williams, Tom Jones, Jennifer Lopez e as Destiny’s Child, que recebiam dinheiro para ir às festas de Philip Green, mas as referências a essas pessoas também foram removidas do filme.



A Sony se recusou a comentar o caso com o jornal, mas a Film4, cofinanciadora de Greed, disse que o contrato da Winterbottom “afirmava que, se alguma discussão criativa ou de negócios chegasse a um impasse, a visão da Sony prevaleceria”.

Winterbottom agora pede à Sony que reconsidere a sua posição, pois o “impacto do filme era maior quando fomos mais específicos, mais dinâmicos, mais impactantes e mais claros”.

Exibido nos festivais de Toronto e Londres, o filme dividiu a crítica, atingindo apenas 54% de aprovação na média registrada pelo agregador Rotten Tomatoes.

Ainda não há previsão para sua estreia comercial nos Estados Unidos.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings