Jared Leto teria tentado “matar” o filme do Coringa por ciúmes

Uma reportagem da revista The Hollywood Reporter fez uma série de revelações bombásticas sobre como o ator Jared Leto, que viveu o Coringa no filme “Esquadrão Suicida”, reagiu à produção de um filme solo do personagem interpretado por outro ator. Entre frustração e fúria, ele teria até mesmo tentado fazer com a Warner desistisse da produção estrelada por Joaquin Phoenix.

A publicação cita fontes próximas de Leto para afirmar que, ao saber do projeto do diretor Todd Phillips, ele se queixou amargamente para seus agentes da CAA, empresa que também representa Phillips, argumentando que aquela “não era forma de se tratar um vencedor do Oscar”. A falta de ação pela CAA pode ter sido o motivo por Leto ter trocado a agência pela WME, apesar de fontes do THR adicionarem que o ator tinha problemas frequentes com a empresa, tendo trocado de agente quatro vezes.

Como não conseguiu resultados com a CAA, Leto teria pedido ao empresário que cuidava da sua carreira musical, Irving Azoff, que contatasse o CEO da Warner (não está claro se foi Jeff Bewkes da Time Warner ou Randall Stephenson da AT&T, dependendo do timing) com um ultimato. A ideia era “matar” “Coringa”.

Mas Azoff sequer chegou a fazer a ligação, preferindo abandonar Leto.

O descontentamento de Leto vêm do fato de que ele tinha acordado produzir e estrelar um filme-solo focado na sua versão do personagem, mas o projeto foi cancelado pelo estúdio para dar espaço para o reboot de “Esquadrão Suicida” do diretor James Gunn e também ao longa estrelado por Joaquin Phoenix.

Para aumentar ainda mais sua frustração, parte de seus colegas de “Esquadrão Suicida” retornará para o novo longa de Gunn. Além disso, Margot Robbie, que foi a Arlequina no filme de 2016, terá sua própria aventura com “Aves de Rapina”, que inicialmente começou como um filme sobre o relacionamento dela com o Coringa de Leto.

Ironicamente, a Warner pensava em fazer os dois filmes, mostrando o Coringa de Phoenix numa produção mais autoral para maiores, e preservando o de Leto para alguma superprodução de censura 13 anos (14 no Brasil).

O estúdio não acreditava que o projeto Phillips ganharia muita projeção. Diante de seu tom sombrio, a Warner sequer liberou um grande orçamento para a produção.

Entretanto, “Coringa” venceu o Festival de Veneza, explodiu nas bilheterias e vem forte para o Oscar 2020. Para aumentar ainda mais a dor-de-cotovelo de Jared Leto.

Por sinal, este teria sido um dos motivos do ator aceitar estrelar o filme do vilão Morbius, trocando as adaptações dos quadrinhos da DC Comics pelo universo da Marvel controlado pela Sony.