Censura: Prefeito do Rio manda recolher gibis dos Vingadores na Bienal do Livro



O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, mandou recolher uma graphic novel dos Vingadores da Bienal do Livro. Em post no Twitter, ele se vangloriou do ato de censura, dizendo ter agido para “proteger as nossas crianças” de material “impróprio”.

“Pessoal, precisamos proteger as nossas crianças. Por isso, determinamos que os organizadores da Bienal recolhessem os livros com conteúdos impróprios para menores. Não é correto que elas tenham acesso precoce a assuntos que não estão de acordo com suas idades”.

O “problema” da publicação é que ele inclui heróis homossexuais. A publicação tem um desenho de dois jovens se beijando. Completamente vestidos.

A organização da Bienal, entretanto, não reconheceu a autoridade do prefeito para realizar censura, que é proibida pela Constituição. Ao perceber que prefeitura mandou apenas uma notificação extrajudicial, com um pedido que os livros fossem lacrados e viessem com uma classificação indicativa ou aviso de que há material ou cenas proibidas para menores de idade, a Bienal emitiu seu próprio comunicado.

Na nota, a Bienal afirmou que não irá recolher nem embalar a publicação, pois seu conteúdo não é impróprio e nem pornográfico. A organização do evento disse ainda que “dá voz a todos os públicos, sem distinção, como uma democracia deve ser. Este é um festival plural, onde todos são bem-vindos e estão representados. Inclusive, no próximo fim de semana, a Bienal do Livro terá dois painéis para debater a literatura Trans e LGBTQA+”.

Sobre o conteúdo, a organização do evento diz que se qualquer pessoa que se sentir ofendida, ou não gostar do material, tem todo o direito de trocar o livro.

Mas quando a feira abriu às 9h desta sexta-feira (6/9), os quadrinhos sumiram do estande da Panini, que publicou a história em parceria com a editora Salvat há dois anos. O livro também está indisponível no site da Salvat. E não pode ser encontrado em nenhuma outra estande da Bienal.

Oficialmente, os expositores afirmam que a história foi toda vendida e os exemplares acabaram se esgotando.

A prefeitura do Rio, porém, enviou uma equipe de fiscais, acompanhada por um subsecretário militar, para verificar a venda dos gibis, numa ação que só pode ser caracterizada como repressão. Saiba mais sobre os desdobramentos aqui.

A série dos Jovens Vingadores, que envolve “A Cruzada das Crianças”, é uma das mais premiadas da Marvel, tanto pela GLAAD, organização LGBTQ+ que destaca os produtos mais inclusivos da mídia americana, quanto pelo prestigioso Harvey Award.

A reação do prefeito pegou carona numa cruzada conservadora encabeçada pelo vereador Alexandre Isquierdo (DEM), que repudiou a obra numa sessão ordinária na Câmara Municipal do Rio na quarta (4/9). “Absurdo um livro que está sendo comercializado na Bienal do Livro: ‘Vingadores – A Cruzada das Crianças’, no qual o autor, que é assumidamente gay, coloca dois super-heróis em um relacionamento homossexual”, apontou.

Assim como o prefeito, o vereador também publicou um vídeo com discurso contra a revista nas redes sociais, paralelamente ao surgimento de várias condenações ao material em sites fundamentalistas, inclusive textos que acusam os quadrinhos de “lacração”.



As manifestações seguem a orientação do presidente Bolsonaro, que fez crítica similar em relação a séries com a temática LGBTQ+ e mandou suspender edital que aprovava produção de programas do gênero.

O timing da tentativa de censura foi curioso, pois aconteceu no dia em que a rede Globo efetivamente censurou o beijo entre duas personagens femininas de sua novela das 18h. O carinho entre o casal Valéria (Bia Arantes) e Camila (Anajú Dorigon) deveria ir ao ar no capítulo de “Órfãos da Terra” antecipado em streaming na quinta – e que chega na TV nesta sexta (6/9) – , mas foi cortado por “decisão artística”, segundo a emissora, que passou a semana alardeando o “beijo apaixonado” na divulgação oficial da novela.

São sinais perigosos, que lembram o nazismo dos anos 1940 e a caça às bruxas macarthista dos anos 1950. Políticos brasileiros voltam a pressionar, proibir e provocar uma histeria de mais de meio século atrás contra a cultura, que seria capaz de desviar a formação dos jovens e transformá-los em… gays!

Daí para queimar livros é um passo.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings