Festival de Gramado consagra Pacarrete em momento de resistência cultural


O longa cearense “Pacarrete” foi o grande vencedor do 47º Festival de Gramado, levando oito troféus, incluindo os de Melhor Filme na votação do júri e do público, além de prêmios para a atriz Marcélia Cartaxo e o diretor-roteirista Allan Deberton.

A premiação na noite de sábado (24/8), na Serra Gaúcha, também foi marcada por atos de fascismo assumido, levados adiante por simpatizantes do governo, que jogaram pedras de gelo em artistas que protestavam com cartazes contra a censura no tapete vermelho. Emiliano Cunha, diretor de “Raia 4”, eleito o Melhor Filme na votação da crítica, foi um dos alvos da agressão. Ele estava com sua filha de dois anos no colo.

Ao longo do festival, diversos cineastas criticaram declarações e decisões do governo sobre o setor audiovisual, incluindo a suspensão, na véspera do evento, de um edital voltado a financiamento de séries, para prejudicar produções com temática LGBTQ+. A decisão do governo também tirou dinheiro de produções evangélicas e paralisou todo o financiamento do audiovisual brasileiro.

O diretor de “Pacarrete”, Allan Deberton, também produz o projeto da série “Transversais”, uma das obras com temática LGBTQ+ citadas nominalmente pelo presidente Jair Bolsonaro de forma pejorativa. “Conseguimos abortar essa missão aqui”, disse o presidente sobre “Transversais”, antes da suspensão do edital, assumindo que a ordem de censura partiu dele mesmo.

“O presidente falou que a série iria para o saco. Eu vou fazer mesmo assim”, afirmou o diretor num de seus discursos de vitória em Gramado, sob aplausos.

A vitória de “Pacarrete” foi recebida com aplausos de pé, já que o filme era o favorito desde a sua exibição na terça-feira (20/8). Os elogios foram direcionados especialmente à performance da atriz Marcélia Cartaxo, que venceu um Urso de Prata no Festival de Berlim por “A Hora da Estrela” (1985) e voltou a conquistar um grande prêmio, o Kikito de Melhor Atriz por seu trabalho na nova obra.

Em “Pacarrete”, ela dá vida à história real de uma mulher de Russas, no interior do Ceará. Bailarina e ex-professora, a mulher do título sonha em se apresentar na festa da cidade. Com voz estridente, grita frases desconexas pelas ruas — e é simplesmente tachada de louca pelos moradores.


“Dedico o prêmio a Pacarrete, mulher, artista e exemplo de resistência. Todo artista precisa resistir. Viva o cinema brasileiro”, disse a atriz, ao receber seu troféu.

Já o prêmio de Melhor Ator ficou com o músico Paulo Miklos, por seu papel em “O Homem Cordial”.

Confira abaixo todos os premiados.

Longas Brasileiros
Melhor Filme: “Pacarrete”
Melhor Direção: Allan Deberton, por “Pacarrete”
Melhor Ator: Paulo Miklos, por “O Homem Cordial”
Melhor Atriz: Marcélia Cartaxo, por “Pacarrete”
Melhor Ator Coadjuvante: João Miguel por “Pacarrete”
Melhor Atriz Coadjuvante para 2: Carol Castro por “Veneza” e Soia Lira por “Pacarrete”
Melhor Roteiro: “Pacarrete”
Melhor Fotografia: “Raia 4”
Melhor Montagem: “Hebe”
Melhor Direção de Arte: “Veneza”
Melhor Trilha Musical: “O Homem Cordial”
Melhor Desenho de Som: “Pacarrete”
Prêmio Especial do Júri: “30 Anos Blues”
Melhor Filme Gaúcho: “Raia 4″
Júri Popular:”Pacarrete”
Júri da Crítica: “Raia 4”

Longas Estrangeiros
Melhor Filme: “El Despertar de Las Hormigas”
Melhor Direção: Perro Bomba
Melhor Ator: Fernando Arze, por “Muralla”
Melhor Atriz: Julieta Diaz por “La Forma de Las Horas”
Melhor Fotografia: “En El Pozo”
Menção Honrosa: “Dos Fridas”
Prêmio Especial do Júri: “Despertar de Las Formigas”
Júri Popular: “Perro Bomba”
Júri da Crítica: “El Despertar de Las Hormigas”

Curtas Brasileiros
Melhor Filme: “Apneia”
Melhor Direção: “Menino Pássaro”
Melhor Ator: Rômulo Braga
Melhor Atriz: Cassia Damasceno
Menção Honrosa para a Atriz mirim: Ester Shafer
Melhor Roteiro: “O Véu de Amani”
Melhor Fotografia: “A Ética das Hienas”
Melhor Montagem: “Invasão Espacial”
Melhor Direção de Arte: “Sangro”
Melhor Trilha Musical: “Teoria sobre um Planeta Estranho”
Melhor Desenho de Som: “Um Tempo Só”
Prêmio Especial: Divina Valéria e Wallie Ruy por “Marie”.
Prêmio Aquisição Canal Brasil: “Marie”
Júri Popular: “Teoria sobre um Planeta Estranho”
Júri da Crítica: “Marie”



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings