Victor Lamoglia vira Thati Lopes em vídeos de Socorro! Virei uma Garota


A Downtown e a Paris Filmes divulgaram o pôster, o trailer e uma cena de “Socorro! Virei uma Garota”, mais uma comédia brasileira com premissa mágica – como “Eu Sou Mais Eu” (2019), “Se Eu Fosse Você” (2006) e até a animação “Lino” (2017).

São tantos lançamentos que já virou subgênero. E com subdivisões. Como diz o título, a produção pertence ao ramo cinematográfico das trocas de sexo, como os americanos “Switch: Trocaram meu Sexo” (1991) e “De Repente Ela” (2015). Mas o tom teen é mais próximo de “Garota Veneno” (2002).

A boa notícia é que a produção não parece enveredar pelas piadas misóginas que costumam acompanhar as comédias de troca de sexo. “Garota Veneno”, por exemplo, é um horror nesse sentido. Em parte porque o protagonista (Victor Lamoglia, de “Tudo por um Pop Star”) parece um nerd saído de um filme de John Hughes, como “Mulher Nota 1000” (1985), antes de um desejo mal-interpretado gerar uma mudança inesperada em sua vida. Mas principalmente porque Tathi Lopes (“Ana e Vitória”) rouba as cenas a partir daí, como a moleca (tomboy) que pensa como homem. Cinéfilos vão lembrar de Debbie Reynolds em “Um Amor do Outro Mundo” (1964). Mas seu estilo despojadão está mais para a jovem Deborah Secco de “Confissões de Adolescente” (1994-1995), com um pé de sapato maior.

Júlio (Lamoglia) desejava apenas ser notado por seu crush, Melina (Manu Gavassi, de “Malhação”). E foi com essa ideia na cabeça que ele pediu a uma estrela cadente, em meio a uma excursão escolar, que se tornasse a pessoa mais popular do colégio. O que ele não contava é que fosse se transformar em Júlia (Thati Lopes), sua versão feminina, patricinha YouTuber que dá dicas de beleza e é melhor amiga justamente de Melina.

O curioso é que, quando Júlio acorda Júlia, em nada lembra a garota popular e afetadinha que deveria representar.

Resta ver como o filme vai explorar esse contraste, entre a garota de comportamento masculino, apaixonada pela melhor amiga, em relação à sua imagem pública como uma princesinha cor-de-rosa e sua consciência interior como nerd frustrado.



O que as prévias mostram é divertido o suficiente para atiçar a curiosidade – e inspirar torcida por um final feliz que não envolva o melhor amigo, nem citado até aqui, ou um simples acordar de sonho no dia seguinte.

O filme tem roteiro de Paulo Cursino (“De Pernas Pro Ar”, “Até que a Sorte nos Separe”) e marca a estreia no cinema do diretor Leandro Neri (de novelas e séries da Globo). O lançamento está marcado para 22 de agosto.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings