Diretora de Tomboy vence a Palma Queer com romance lésbico em Cannes



O drama francês “Portrait de la Jeune Fille en Feu” (retrato da garota em fogo, em tradução literal), da diretora Céline Sciamma (“Tomboy”), venceu a Palma Queer, premiação paralela do Festival de Cannes para o Melhor Filme LGBTQ+.

O longa, que também disputa a Palma de Ouro, narra a história de amor impossível entre duas mulheres na Bretanha do século 18. O romance é protagonizado por Noémie Merlant (“Curiosa”) e Adèle Haenel (“A Garota Desconhecida”). E a crítica amou cada segundo da projeção, com elogios rasgados e 100% de aprovação no Rotten Tomatoes.

“Não é só uma história lésbica, mas, acima de tudo, um grande filme”, disse em comunicado o júri da 10ª edição da Queer Palm, que foi presidido pela atriz francesa Virginie Ledoyen (“Adeus, Minha Rainha”).


Curiosamente, a diretora Céline Sciamma já tinha conquistado o equivalente à Palma Queer no Festival de Berlim com um de seus primeiros filmes. Ela venceu o prêmio Teddy com “Tomboy”, em 2011.

Ao todo, 19 produções concorriam ao prêmio paralelo de Cannes, incluindo o brasileiro “Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles.

A Palma Queer também premiou o curta-metragem “The Distance Between Us and The Sky”, do grego Vasilis Kekatos.



Chris Thomas é uma eterna estudante de cinema com algumas pós-graduações e radicada em Paris há uma década.



Back to site top
Change privacy settings