Série derivada de Orphan Black começa a ser desenvolvida pelo canal de The Walking Dead


O universo de “Orphan Black” vai voltar à TV. O canal pago americano AMC encomendou à produtora Temple Street Productions, responsável pela série original, uma nova história de clones derivada da premiada produção da BBC America.

Exibida de 2013 a 2017, “Orphan Black” girava em torno de um grupo de mulheres que descobre ser clones da mesma pessoa, separadas e criadas em diferentes localidades, devido a uma conspiração envolvendo grupos rivais numa guerra pelo controle da experiência – que não foi inteiramente bem-sucedida, já que elas estariam morrendo.

A continuação não deve trazer de volta as “sisters” do “clone club” – ou “sestras” como dizia a clone russa – que foram interpretadas, de forma impressionante, pela mesma atriz: a canadense Tatiana Maslany, em uma dezena de papéis diferentes. Em vez disso, a nova série contaria outra história passada no mesmo universo.

A produtora Temple Street abriu discussões com vários roteiristas e está ouvindo diferentes abordagens para devolver esse projeto. Mas não há notícias sobre o envolvimento dos pais da atração, John Fawcett e Graeme Manson, que antes de “Orphan Black” já eram conhecidos individualmente como feras do gênero terror, respectivamente como criadores das franquias de cinema “Possuída” e “O Cubo”.



“Orphan Black” foi responsável por dar visibilidade à BBC America, atraindo muitos assinantes com sua repercussão, que não se restringiu ao universo geek, pois rendeu até um merecido Emmy de Melhor Atriz para Tatiana Maslany.

Mas a nova série não será exibida no mesmo canal. A ideia é lançá-la na AMC, que é sócia da BBC America e recentemente promoveu a chefe dessa emissora, Sarah Barnett, a presidente de entretenimento de sua rede – que ainda inclui os canais IFC, WE tv, Sundance TV e a plataforma de streaming Shudder.

A AMC está em busca de um novo sucesso, preocupada com a queda de audiência de “The Walking Dead”. Além disso, com a anunciada finalização de “Into the Badlands”, ficará sem nenhuma série de ficção científica em sua programação.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings