Netflix compra filme do serial killer Ted Bundy estrelado por Zac Efron


A Netflix comprou os direitos do drama indie “Extremely Wicked, Shockingly Evil and Vile”, em que Zac Efron (“Baywatch”) interpreta o serial killer Ted Bundy. O filme teve sua première mundial no Festival de Sundance 2019, onde chamou atenção pela força da interpretação do ator, sendo considerado pela crítica americana o melhor trabalho da carreira de Efron.

Segundo apurou o site da revista The Hollywood Reporter, a plataforma adquiriu a produção por US$ 9 milhões, quantia bastante elevada para o padrão das negociações de Sundance.

“Extremely Wicked, Shockingly Evil and Vile” foi o único filme de ficção adquirido pela Netflix no festival deste ano, após a plataforma privilegiar a compra de documentários.

E, curiosamente, o negócio também reflete o investimento da Netflix em documentários, já que serve de acompanhamento para a bem-sucedida série documental “Conversations with a Killer: The Ted Bundy Tapes”, sucesso em streaming criado pelo mesmo diretor do filme, Joe Berlinger.


A obra de ficção traz uma perspectiva diferente para a história de Bundy, já que é filtrada pelo olhar de sua namorada, Elizabeth Kloepfer, vivida por Lily Collins (“Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos”). Kloepfer demorou a acreditar que Bundy era um serial killer, mesmo diante dos fatos trazidos à tona durante seu julgamento.

O roteiro é de Michael Werwie (do vindouro suspense “Lost Girls”, com Sarah Paulson) e o elenco também inclui Kaya Scodelario (“Maze Runner: A Cura Mortal”), Lily Collins (“O Mínimo para Viver”), John Malkovich (“Horizonte Profundo: Desastre no Golfo”), Jim Parsons (série “Big Bang Theory”), Angela Sarafyan (“Westworld”), Grace Victoria Cox (“Under the Dome”), Terry Kinney (série “Billions”), Haley Joel Osment (o menino agora crescido de “O Sexto Sentido”), Dylan Baker (série “The Good Wife”) e o cantor do Metallica James Hetfield, em sua estreia como ator.

O THR afirma que a intenção da Netflix é tentar emplacar o filme no Oscar 2020, dando ênfase ao desempenho de Efron na busca de prêmios. Por conta disso, o longa não deve ser imediatamente disponibilizado em streaming. Para entrar na temporada de premiações, tende a ser guardado para o final do ano.

Em 2017, a Netflix adquiriu “Já Não Me Sinto em Casa Nesse Mundo” e disponibilizou o longa um mês após sua vitória no Festival de Sundance. Como resultado, ninguém lembrou dele na temporada de premiações daquele ano.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings