Spielberg escala estudante de 17 anos como protagonista do remake de Amor, Sublime Amor


O cineasta Steven Spielberg encontrou a protagonista de seu remake de “Amor, Sublime Amor” (West Side Story). E é uma completa desconhecida, a estudante do colegial Rachel Zegler, que superou mais de 30 mil candidatas em testes para o papel de Maria.

A jovem de apenas 17 anos é descendente de colombianos e entrou na disputa após enviar e-mails de vídeos em que cantava “Tonight” e “Me Siento Hermosa”.

Ela viverá a personagem anteriormente interpretada por Natalie Wood (“Juventude Transviada”) no cinema, contracenando com Ansel Elgort (“Em Ritmo de Fuga”), que vive o protagonista masculino, Tony.

“Estou muito feliz por termos reunido um elenco que reflete a incrível o talento na comunidade hispânica multifacetada dos Estados Unidos”, disse o diretor em comunicado. “Eu admiro a força do talento desses jovens artistas, e acredito que eles trarão uma energia nova e eletrizante para um musical magnífico que é mais relevante do que nunca”.



“Amor, Sublime Amor” é uma versão contemporânea de “Romeu e Julieta”, passada em Nova York no final dos anos 1950, que acrescenta à história de amor proibido elementos de delinquência juvenil e preconceito racial. A obra estreou na Broadway em 1957 com canções de Leonard Bernstein e letras de Stephen Sondheim, e já foi levada ao cinema em 1961, com direção de Robert Wise (“A Noviça Rebelde”) e do coreógrafo Jerome Robbins (“O Rei e Eu”).

Considerado um dos melhores musicais de todos os tempos, o longa original venceu 10 Oscars, incluindo Melhor Filme.

A nova versão foi escrita por Tony Kushner, colaborador frequente de Spielberg, tendo trabalhado com o diretor em “Munique” (2005) e “Lincoln” (2012). Os dois também estavam desenvolvendo “The Kidnapping of Edgardo Mortara”, que foi preterido por “The Post” e acabou abandonado.

As filmagens começam em junho, mas ainda não há previsão para o lançamento do longa-metragem.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings