Disney prepara versão live-action de O Corcunda de Notre Dame


A Disney vai fazer uma versão “live-action” de “O Corcunda de Notre Dame”. As aspas em “live-action” são para ironizar o fato de que versões com atores da história clássica de Victor Hugo são filmadas desde antes de a Disney existir – a mais antiga é de 1905 e uma das mais famosas trazia Lon Chaney como Quasimodo em 1923.

A versão animada da Disney é relativamente recente, lançada em 1996 como um musical – por sinal, a primeira versão musical de “O Corcunda de Notre Dame” foi uma ópera de 1836, que tinha libretto do próprio Victor Hugo.

O estúdio contratou o dramaturgo David Henry Hwang (autor da peça “M. Butterfly” e roteirista da série “The Affair”) para escrever sua nova versão, além dos compositores Alan Menken e Stephen Schwartz, que foram indicados ao Oscar pela trilha sonora da animação, para criarem novas músicas para o projeto, por enquanto batizado apenas de “Hunchback” (“Corcunda”).

O elenco ainda não foi anunciado, mas o ator Josh Gad, que encarnou Le Fou na versão live-action de “A Bela e a Fera”, é um dos produtores do projeto. Boatos dão conta que ele pode interpretar o personagem-título.



A versão Disney da história gira em torno de Quasimodo, um rapaz com diversas deformações corporais que foi criado pelo cruel ministro da justiça parisiense, Frollo, que o mantém escondido na torre dos sinos da catedral de Notre Dame.

Durante uma noite de festa, no entanto, ela toma coragem para sair de seu esconderijo e conhece a bela cigana Esmeralda. Logo, Quasimodo e sua nova amiga se veem juntando forças para impedir Frollo de expulsar os ciganos da região que ocupam em Paris.

Lançado após o sucesso de “A Pequena Sereia”, “A Bela e a Fera”, “Aladdin”, “O Rei Leão” e “Pocahontas”, que marcaram o “renascimento” da Disney, “O Corcunda de Notre Dame” rendeu mais de US$ 325 milhões nas bilheterias mundiais em 1996.

Com sua produção, a Disney dá sequência a seu projeto de refilmar todo o seu catálogo de animações clássicas com atores reais. Só em 2019, o estúdio lança novas versões de “Dumbo”, “Aladdin”, “O Rei Leão” e “A Dama e o Vagabundo”.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings