Black Mirror: Bandersnatch rende processo da editora dos livros de Escolha Sua Aventura


A editora Chooseco, que publica nos EUA os livros infantis da famosa franquia “Escolha Sua Aventura” (Choose Your Own Adventure), entrou com processo contra a Netflix por usar a estrutura patenteada por ela para lançar o filme interativo “Black Mirror: Bandersnatch”.

Criados por Edward Packard, os livros de “Escolha Sua Aventura” foram originalmente desenvolvidos para estimular a criatividade das crianças. Eles permitem que leitores façam escolhas em momentos chave da narrativa, que indicam páginas a sere puladas para continuar a leitura, resultando em histórias diferentes, conforme as escolhas.

Packard escreveu o primeiro livro do gênero, “Adventures of You on Sugarcane Island”, em 1970, mas ele só foi publicado em 1976, um ano depois do desenvolvimento do primeiro game interativo, “Colossal Cave Adventure”, pelo programador Will Crowther e outros.

Antes de a internet virar o que é hoje, “Colossal Cave Adventure” também consistia só de textos, com opções a serem definidas pelos jogadores por meio da inclusão de comandos. Foi um grande sucesso e acabou inspirando outros jogos interativos, criando um gênero que foi denominado de “Aventura” (Adventure), devido ao título do game original.

“Colossal Cave Adventure” foi um processo longo, que levou de 1975 a 1976 a ser aperfeiçoado, mas desde o começo foi compartilhado entre vários jogadores dispostos a testá-lo na arpanet, a rede de computadores precursora da internet, inspirando outros a desenvolverem seus próprios jogos. Para todos os efeitos, ficou conhecido como a primeira obra de ficção interativa do mundo, precedendo as publicações de Packard.

Já o termo “Escolha Sua Aventura” só foi introduzido para apresentar o segundo livro de Packard, “Adventures of You on Deadwood City” (1977), como uma anotação na contracapa. Outro detalhe é que o editor dos livros, R.A. Montgomery, só começou a adaptar a estrutura interativa para games nos anos 1980, quando lançou uma versão de “Choose Your Own Adventure” para Atari em 1984 – antes de criar CD-Roms para a Apple em 1990.

Assim, na prática, os games da arpanet precederam os livros interativos. Mas, para a Chooseco, isso não importa, já que ela alega ter o copyright da estrutura que foi usada por “Bandersnatch”.



Segundo a revista The Hollywood Reporter, a Chooseco decidiu processar a Netflix nesta sexta-feira (11/1), revelando que a empresa de streaming chegou a fazer uma proposta para comprar os direitos da frase “Choose Your Own Adventure” e da franquia literária, mas que nenhum contrato foi fechado.

A Chooseco preferiu fechar com o estúdio 20th Century Fox, que ficou com os direitos cinematográficos e televisivos de “Escolha Sua Aventura”.

Os advogados da editora ainda dizem no processo que a Netflix já usou a frase patenteada pela companhia para promover outros produtos interativos, a maioria deles do catálogo infantil da plataforma.

O processo também aponta que a frase “Escolha Sua Aventura” é usada em uma das cenas de “Bandersnatch”, durante um diálogo entre o protagonista Stefan (Fionn Whitehead) e seu pai, em que ele explica a estrutura do videogame que está criando.

A editora diz que, como a associação de seu nome aos produtos da Netflix não foi previamente autorizada, ela tem direito a uma compensação de pelo menos US$ 25 milhões ou uma porcentagem dos lucros do serviço de streaming com “Black Mirror: Bandersnatch”.

O caso vai depender da extensão da patente da Chooseco sobre a estrutura interativa – se ela registrou o formato para audiovisual, por exemplo.

De todo modo, não é a primeira vez que a Chooseco faz valer a sua patente sobre a frase “Escolha Sua Aventura”. Na década passada, a empresa processou a Chrysler pelo uso da frase na propaganda de um de seus jipes. O caso terminou em um acordo monetário entre as duas partes.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings