Kéfera Buchmann canta música ruim e tem a melhor memória do mundo em vídeos de Eu Sou Mais Eu


A Imagem Filmes divulgou dois novos vídeos de “Eu Sou Mais Eu”, comédia brasileira de viagem no tempo estrelada por Kéfera Buchmann (“É Fada”), que pede para o público acreditar em coisas impossíveis. Um deles é acompanhado por uma música muito ruim que, segundo a sinopse, é hit da personagem da atriz. O outro mostra uma briga generalizada durante um jogo, predita em detalhes pela viajante do futuro – que deve ter a melhor memória do mundo, tamanho o exagero de sua precisão na cena.

Sessão da Tarde assumida, a trama juvenil sem pé nem cabeça mostra Kéfera como uma cantora famosa e arrogante que, ao ser traumatizada pelo encontro com uma fã assustadora, acorda em 2004, tendo que viver novamente sua vida como uma adolescente perdedora.

Por coincidência ou não, 2004 foi o ano de lançamento do hollywoodiano “De Repente 30”, em que uma adolescente virava adulta. Mas a trama de “Eu Sou Mais Eu” não se resume à inversão etária. Há o artifício de viagem no tempo mágica, que é o mesmo usado em “Peggy Sue, seu Passado a Espera” (1986), e principalmente um tom de fábula dickensiana que prevalece na trama moralista. Afinal, a fã com poderes mágicos que pretende dar uma lição de humildade na celebridade rabugenta age exatamente como um fantasma de natais passados diante do velho Scrooge.

O roteiro é do pau-pra-toda-obra L.G. Bayão, que produz em ritmo de fábrica para católicos (“Irmã Dulce”), espíritas (“Kardec”) e seguidores de auto-ajuda (“O Vendedor de Sonhos”), e vai do terror (“Motorrad”) ao filme infantil (“Detetives do Prédio Azul 2: O Mistério Italiano”) sem distinção – foram cinco roteiros filmados só no ano passado! – em parceria com Angélica Lopes, das comédias “Divórcio” e “Uma Loucura de Mulher”.

A direção é de Pedro Amorim (também de “Divórcio”) e o elenco ainda destaca João Côrtes (“O Segredo de Davi”) e Giovanna Lancellotti (“Tudo por um Pop Star”) como personagens de filme adolescente americano – o nerd e a bullynadora.


Detalhe curioso é que o filme ia se chamar “De Novo Não!”. Alguém reparou na piada pronta e sugeriu mudar.

A estreia está marcada para 24 de janeiro.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings