Cate Blanchett vai viver militante anti-feminista em sua primeira série americana



A atriz Cate Blanchett (“Thor: Ragnarok”) vai estrelar sua primeira série americana, mais de duas décadas após sua última incursão no gênero, feita ainda no começo de sua carreira na televisão australiana. Ela viverá uma militante anti-feminista que impediu uma emenda constitucional nos Estados Unidos que garantiria a igualdade de direitos para todos, sem distinção de sexo.

Intitulada “Mrs. America”, a série foi criada por Dahvi Waller, produtora-roteirista de “Mad Men” e “Halt and Catch Fire”, e vai contar a história de Phyllis Schlafly, uma ativista conservadora, conhecida por sua oposição ao feminismo, e seu papel crucial na derrota da Emenda de Igualdade de Direitos (Equal Rights Amendment, ERA) na década de 1970.

A sinopse apresentada pelo canal pago FX, que vai exibir a produção, diz: “Através dos olhos das mulheres dessa época, tanto de Schlafly como das feministas Gloria Steinem, Betty Friedan, Shirley Chisholm, Bella Abzug e Jill Ruckelshaus, a série explorará como um dos campos de batalha mais duros nas guerras culturais dos anos 1970 ajudou a dar origem ao movimento conservador da Maioria Moral e mudou para sempre a nossa paisagem política”.



“Não podia haver um momento mais apropriado para revisar este período da história recente”, completou Blanchett, no comunicado da produção. “Não poderia ser mais relevante do que hoje em dia.”

Ainda não há previsão para a estreia.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings