Amazon vira segunda empresa americana a valer US$ 1 trilhão


A Amazon se tornou nesta terça-feira (4/9) a segunda empresa americana a atingir US$ 1 trilhão em valor de mercado, um marco que atesta a transformação de um site de livraria online numa gigante do comércio eletrônico.

No ano, os papéis da varejista acumulam alta de 75%, um adicional de US$ 435 bilhões em seu valor — aproximadamente o tamanho da rede de supermercados Walmart, por exemplo. Os lucros recordes aconteceram com negócios como a computação em nuvem e contra ameaças do presidente americano Donald Trump, cujo governo tem sido marcado por litígio com as grandes empresas de comunicação e entretenimento.

“Eu expus minhas preocupações com a Amazon muito antes da eleição. Diferente de outros, eles pagam pouco ou nenhum imposto a governos estaduais e locais, usam nosso sistema postal como seu garoto de entregas [causando tremendo prejuízo aos EUA], e estão tirando muitos varejistas do negócio”, disse Trump em um publicação no Twitter em março.

A Amazon começou em 1994 como uma livraria online na garagem de Jeff Bezos. Hoje, o empresário está com 54 anos e é o homem mais rico do mundo, de acordo com o ranking da revista Forbes.

No ano passado, as vendas de lojas online da empresa chegaram a US$ 108 bilhões. Mas a Amazon foi lentamente deixando de ser apenas um site para compras. Ela entrou no negócio da produção de dispositivos eletrônicos, como o Kindle, leitor de livros digitais que apontou uma carência no mercado, antes do lançamento do iPad da Apple.



O negócio do Kindle acabou se provando bem diferente do imaginado, já que a oferta de livros digitais também abriu as portas para a exploração de outros nichos de conteúdo, levando a Amazon a criar uma locadora de filmes online e finalmente a investir em conteúdo próprio, produzindo filmes e séries para se tornar uma força no ascendente mercado de streaming.

Não por acaso, a primeira empresa a atingir US$ 1 trilhão de valor de mercado nos EUA, a Apple (marca atingida no mês passado) também está investindo em conteúdo para lançar a sua plataforma de streaming para séries.

Nos últimos meses, a Amazon também adquiriu a cadeia de supermercados Whole Foods Market — com cerca de 470 lojas físicas —, fazendo o caminho inverso dos negócios modernos. Isto é, indo do mundo virtual para o real. A varejista trabalha ainda em um serviço de entrega para competir com a FedEx e a United Parcel Service, os correios privados americanos.

Os recordes conquistados por Amazon e Apple também demonstram a crescente influência das empresas de tecnologia na economia americana. E alguns analistas preveem que a Amazon logo ultrapassará a Apple como a maior empresa dos EUA.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings