Mauricio de Sousa se diz surpreso com polêmica despertada pelo filme com atores da Turma da Mônica



O primeiro filme com atores da Turma da Mônica só vai estrear em 2019, mas já virou polêmica nas redes sociais. Usuários do Twitter acusam o longa “Turma da Mônica: Laços” de embranquecer o personagem Cascão com a escalação de Gabriel Moura, de 9 anos, que não cabelo liso e não é negro.

“Eu fiquei meio ‘assim’ (surpreso) quando vi esta repercussão porque, nas histórias em quadrinhos, nunca deixamos essa posição clara. Cascão nunca foi desenhado negro”, disse seu criador, Mauricio de Sousa, ao jornal Extra. “Nós temos o Jeremias e outros personagens que são decididamente negros. Cascão, não. Isso foi surpresa para mim.”

O público esperava um garoto com cabelo crespo, aparado e negro. No entanto, o cartunista defendeu a escolha do ator. “A seleção foi fruto de um trabalho meticuloso. E, por incrível que pareça, deu um resultado tão bacana que ficamos mais do que satisfeitos. Eles incorporaram os personagens tão bem, brincavam como eles”, afirmou.

Ele confirma que houve “algumas concessões”, mas que foi fruto da diferença entre desenho e realidade. “Chegamos à conclusão, por exemplo, de que o cabelo do Cascão não deveria ser igual ao cabelo do desenho. Encontramos no Rio de Janeiro um menino que era o próprio Cascão na gesticulação, no jeito, no físico e no corpo: aquela perninha magrinha, a esperteza e tudo mais”, diz.



A produção do filme selecionou o elenco infantil entre mais de 5 mil candidatos, e Mauricio acompanhou as etapas e opinou sobre os candidatos. “A seleção foi fruto de um trabalho meticuloso. E, por incrível que pareça, deu um resultado tão bacana que ficamos mais do que satisfeitos”, concluiu.

Para encerrar o assunto, basta olhar os desenhos de Mauricio, que nunca desenhou Cascão com cor diferente de Mônica, Cebolinha e Magali, desde que o criou em 1961. E isto é, na verdade, um dado muito positivo, pois o personagem é em sua essência considerado sujo, por odiar banho. Fica até estranho o povo politicamente correto cobrar uma versão que propagaria preconceito, numa analogia horrível entre pele escura e sujeira.


Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.



Back to site top
Change privacy settings