Um ano após ser cancelada, The Last Man Standing tem volta confirmada à televisão

 

A Fox confirmou o resgate de “Last Man Standing”, que havia sido cancelada há um ano pela rede ABC. A série de comédia protagonizada por Tim Allen tem, assim, o revival mais rápido já visto – em comparação com “Arquivo X” e “Roseanne”, por exemplo. Ou o resgate mais demorado de todos os tempos – em comparação com “The Mindy Project” e “Nashville”.

O próprio Allen já tinha vazado a existência de negociações para o revival há uma semana. Mas a Fox aguardou para anunciar o retorno numa data simbólica: no aniversário de um ano do cancelamento. Na época, a decisão da ABC foi considerada incompreensível, já que a série tinha público de renovação, vista em média por 6,4 milhões de telespectadores ao vivo.

“‘Last Man Standing’ terminou cedo demais, e o clamor dos fãs tem sido ensurdecedor”, disseram em comunicado os presidentes da Fox TV, Gary Newman e Dana Walden. “Queríamos remontar o show desde a gravação final, há um ano, e Tim também não perdeu a esperança. Graças aos milhões de telespectadores dedicados e ao irreprimível Tim Allen, o cancelamento não foi o fim de ‘Last Man Standing’. ”

Allen vai reprisar seu papel como Mike Baxter, o único homem numa família repleta de mulheres – esposa e três filhas – , que se sentia extremamente incomodado pelo crescente empoderamento feminino do mundo atual. Na descrição oficial: um homem “que tenta manter sua masculinidade em um mundo cada vez mais dominado por mulheres”.

“Claro que estou animado!”, Allen disse em um comunicado. “Quando eu ouvi a oferta para criar mais episódios de ‘Last Man Standing’, eu dei um soco no ar com tanta força que acabei com um mau jeito nas costas… Eu não poderia ser mais grato aos fãs que escreveram petições e mantiveram a paixão e o incrível apoio pelo programa”, completou.

A série de comédia protagonizada por Tim Allen entre 2011 e 2017 voltará para sua 7ª temporada no outono norte-americano (entre setembro e novembro).

Sua volta pela Fox é estimulada por dois fatores. Trata-se de uma produção da casa, mais especificamente da 20th Century Fox Television, o que facilitou o acordo. O outro detalhe determinante foi o enorme sucesso do revival de “Roseanne”, sitcom que compartilha o mesmo viés político conservador de “Last Man Standing”.

Muitos críticos comentaram, há um ano, que a ABC tinha cometido um erro estratégico ao cancelar a série criada por Jack Burditt (roteirista das clássicas “Mad About You” e “Just Shoot Me”), porque ela tinha boa audiência na demografia dos eleitores de Donald Trump, perfil raro entre as séries exibidas nos Estados Unidos. Afinal, os produtores de TV tendem a priorizar uma agenda progressista, evitando ao máximo ideais reacionários, como as preocupações machistas do personagem de Allen em sua sitcom.

Mas, ao mesmo tempo que cancelou “Last Man Standing”, a ABC reforçou a produção de séries sobre famílias inclusivas, mostrando claramente um viés politizado em sua programação. Ou seja, o cancelamento foi mesmo uma decisão política.

E não é só a ABC que torcia o nariz para a própria série. Vale observar que “Last Man Standing” nem sequer tem avaliação no site Rotten Tomatoes, porque a crítica simplesmente não se interessa por ela. Só o povão que elegeu Trump prestigiava.

Não por acaso, Allen chegou até a se fantasiar de Trump num episódio.

Já a Fox não compartilha da mesma agenda da ABC, a ponto de o canal Fox News, do mesmo conglomerado, ser considerado quase porta-voz de Trump.

Uma curiosidade dessa negociação é que ela acontece após a Disney (dona da ABC) comprar o estúdio Fox, que detém os direitos de produção de “Last Man Standing”. Ainda não há previsão para a troca de comando, que depende de aprovação do governo (de Trump), e tampouco está claro como se dará a relação entre o estúdio Fox e o canal Fox, que continuará com os proprietários atuais.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings