Filha de Stan Lee é acusada de bater no pai e dilapidar fortuna da família

 

Os relatos de abuso contra Stan Lee, de 96 anos, ganharam um novo capítulo. A revista The Hollywood Reporter publicou uma reportagem-denúncia que acusa J.C. Lee, filha única do criador dos heróis da Marvel, de abusar fisicamente de seu pai e sua mãe, Joan Lee, que faleceu em julho do ano passado, e se juntar a pessoas interessas em dilapidar a fortuna da família.

A publicação conseguiu um documento de fevereiro deste ano assinado pelo próprio Stan Lee no escritório de seu então advogado, Tom Lallas, onde ele acusa três homens – Jerardo “Jerry” Olivarez (cuidador de Lee na época), Keya Morgan (atual cuidador de Lee) e Kirk Schenck (advogado de J.C. Lee) – de tentar controlar suas propriedades e dinheiro. Eles teriam influenciado sua filha que, de tempos em tempos, exigia mudanças em seu testamento, incluindo a transferência de propriedades para seu nome. No texto, Stan Lee afirma: “Tudo isso aumentava junto com seu maior medo: que após minha morte, ela ficaria sem casa e destituída”.

Segundo o documento, J.C. Lee, de 67 anos, conta “com poucos amigos adultos” e os três homens insinuariam uma amizade com um único propósito: ter acesso ao controle das propriedades e dinheiro do lendário quadrinista.

Poucos dias depois de registrar esse documento em cartório, Lallas e outros empregados de Lee foram demitidos e a filha dele contratou diversos substitutos – um novo contador, um novo assistente, um novo cuidador e até um novo jardineiro.

A reportagem ainda afirma que J.C. Lee teria machucado fisicamente seus pais em 2014. Um dia, ela chegou em casa e viu um Jaguar na entrada. Imediatamente ela assumiu que o carro era pra ela, mas assim que descobriu que ele havia sido “apenas” alugado, teria surtado. Após tomar uma bronca da mãe (na época com 92 anos), a mulher a pegou pelo braço e a jogou contra uma janela, a derrubando no chão. Stan Lee (com 91 anos) começou a gritar com a filha e ela teria pego o quadrinista pela cabeça e batido contra uma cadeira.

Antigos cuidadores ainda reportaram que J.C. Lee costumava ligar para o pai durante o dia para gritar com ele e pedir mais dinheiro. Na declaração assinada em fevereiro, ele diz que “não é incomum ela pedir US$ 20 mil até US$ 40 mil em cartões de crédito”. Mais: “também é comum ela gritar comigo se não consegue o que quer”.

A última aparição pública do quadrinista foi durante a Silicon Valley Comic Con, no fim de semana passado, e muitos fãs descreveram sua participação como perturbadora, com o criador do Homem-Aranha aparentemente sendo forçado a caminhar pela convenção contra sua vontade.

O número de telefone do quadrinista foi mudado e, segundo o THR, seus emails são monitorados e respondidos por Keya Morgan, o cuidador contratado por sua filha. “Stan Lee tem problemas de visão e não consegue ler letras pequenas”, justificou-se Morgan a THR.

Assim que foi informado que a revista preparava a reportagem, Morgan também gravou um vídeo em que Lee diz que o documento em que acusa a filha é “totalmente incorreto, impreciso, enganoso e insultante”. Confrontado com essa declaração, o ex-advogado do escritor diz que Lee repassou todo o conteúdo com ele, “palavra por palavra, linha por linha”.

Lee também disse no vídeo: “Minha relação com minha filha nunca foi melhor e meu amigo Keya Morgan e eu também temos um ótimo relacionamento… Qualquer um que esteja dizendo outra coisa… está se espalhando mentiras”.

Atualmente, Lee conta com um patrimônio entre US$ 50 milhões e U$ 70 milhões – recebendo US$ 1 milhão da Marvel por ano.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings