Irmãos Duffer se dizem “profundamente chateados” com acusações de abuso em Strangers Things

Os criadores e showrunners de “Stranger Things”, os irmãos Matt e Ross Duffer, reagiram às alegações de abuso de uma integrante da equipe de produção com um comunicado, em que se dizem “profundamente chateados” com as acusações. A Netflix também se manifestou sobre o caso, declarando não ter encontrou nenhuma evidência de transgressão no set.

Em sua declaração, os irmãos Duffer disseram: “Estamos profundamente chateados ao saber que alguém se sentiu desconfortável em nosso set. Devido à natureza de alta tensão da produção, os temperamentos ocasionalmente ficam desgastados e, por isso, pedimos desculpas. No entanto, pensamos que é importante não caracterizar erroneamente o nosso set, onde acreditamos fortemente no tratamento de todos de forma justa, independentemente do sexo, orientação, raça, religião ou qualquer outra coisa. Nós permanecemos totalmente comprometidos em fornecer um ambiente de trabalho seguro e colaborativo para todos em nossas produções”.

Netflix, por sua vez, observou: “Examinamos a questão, quando ouvimos falar pela primeira vez da alegação na quinta-feira, e não encontramos nenhuma transgressão. Manter uma atmosfera segura e respeitosa no set é importante para nós, e nós sabemos que é também para os irmãos Duffer”.

A acusação foi feita pela contrarregra H. Peyton Brown em seu Instagram. Ela aproveitou o tema do Dia Internacional da Mulher para fazer uma postagem em sua conta pessoal, afirmando que não voltaria mais a trabalhar em “Stranger Things” em apoio à irmandade feminina. Sem dar nomes, ela acusou “dois homens, em alta posição de poder” de destratar várias funcionárias durante a produção da 2ª temporada.

“Acho que não há dia melhor que o Dia Internacional da Mulher para dizer que ‘time’s up’ (nome de uma iniciativa contra assédio, que significa ‘o tempo acabou’)”, ela escreveu, explicando que não poderia continuar na série depois do que testemunhou.

“Eu pessoalmente testemunhei dois homens, em alta posição de poder naquele set, abusarem verbalmente de múltiplas mulheres. Eu prometi a mim mesma que, se fosse colocada em uma situação onde tivesse que dizer algo, eu iria. Então estou falando isso para os meus 11,5 mil seguidores: TIME’S UP”, escreveu na postagem.

Apesar de não citar nominalmente os irmãos, ela confirmou que se referia a eles quando questionada por seguidores nos comentários. Ela também deu exemplos dos abusos: “Houve gritos, insultos, ameaças e pessoas sendo demitidas ou forçadas a se demitir por causa deles”.

Entretanto, logo após a postagem, os comentários e as respostas foram apagados. O post original continua no ar e pode ser visto abaixo.

I guess there’s no better day than #nationalwomensday to say #timesup and announce that I will not be a part of the filming of Season 3 of Stranger Things. Why, you ask? Because I stand with my sisters. I personally witnessed two men in high positions of power on that set seek out and verbally abuse multiple women. I promised myself that if I were ever in a situation to say something that I would. I have 11.5 thousand followers who can hear me say this, TIME IS UP. Women in the film industry are POWERFUL. We will rise and we will scream from mountain tops in support of each other and I will not contribute my time, efforts, and talent to such abusive people. There is too much going on in this world to be regressive. There are too many amazing and highly respected men in respective positions of power that I have had the utmost pleasure of working beside. Those are the people I want to surround myself with. Those are the projects I want to be a part of. This industry is no longer led by a “few good men,” but instead by an OCEAN of ASTOUNDING WOMEN. Enough is enough. For my sisters- Time is up. #timesup #theabusestopsnow #ontobiggerandbetter #standupforwhatsright #womenempowerment #ladygrip #sisterhood #iatsesisters #wewillbeheard #thispicsaysitall

Uma publicação compartilhada por P (@peytonnbrown) em

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings