Ator de Esquadrão Suicida será o novo Magnum no piloto do remake



Os produtores do remake de “Magnum” definiram seu protagonista. Após anunciar que a produção buscaria um elenco mais diversificado que o da série original dos anos 1980 – totalmente branco e masculino – , o escolhido foi um ator completamente diferente de Tom Selleck: Jay Hernandez, intérprete do vilão El Diablo no filme do “Esquadrão Suicida”.

Californiano e descendente de mexicanos, Hernandez estreou na série de comédia “Hang Time”, em 1998, e chamou atenção pela primeira vez como protagonista do terror “O Albergue” (2005). Nos últimos anos, coadjuvou diversas séries, entre elas “Last Ressort”, “Nashville”, “Gang Related”, “The Expanse” e “Scandal”. Ele também está no elenco das duas comédias “Perfeita É a Mãe” e do blockbuster da Netflix “Bright”.

A mudança de etnia do protagonista não será a única alteração visível da atração. O personagem Higgins, vivido por John Hillerman na série clássica, agora será uma mulher.

A premissa, porém, vai se manter bastante similar à criação de Donald P. Bellisario e Glen A. Larson de 1980, que durou oito temporadas na rede CBS. Assim como Selleck, Hernandez também será um ex-militar. Enquanto o primeiro Magnum era veterano da guerra da época, o conflito do Vietnã, seu substituto lutou no Afeganistão. Ao voltar, ele decide usar suas habilidades militares para se tornar um investigador particular, com a ajuda de outros veteranos – Theodore “TC” Calvin e Orville “Rick” Wright – e da ex-agente secreta do MI:6 Juliet Higgins.


Peter Lenkov, responsável pelos remakes de “Hawaii Five-0” e “MacGyver”, assina o roteiro ao lado de Eric Guggenheim (“Desafio no Gelo”).

A direção está a cargo do cineasta Justin Lin (“Star Trek: Sem Fronteiras”).

E, com esse time, é muito provável que o piloto seja aprovado pela CBS – requisito para virar série. Isto porque Lin já assinou dois pilotos que foram aprovados e viraram séries no canal: “Scorpion” e “S.W.A.T.”.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings