Metade dos filmes brasileiros dos últimos cinco anos venderam menos de 3,7 mil ingressos



O ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão apresentou um balanço da produção do cinema nacional nos últimos cinco anos, resultado de um levantamento feito a seu pedido pela Agência Nacional de Cinema (Ancine), que demonstra que a maior parte dos filmes brasileiros é pouco vista pelo público.

Divulgados num evento da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, os números materializam o cinema invisível do país. E evocam o ciclo vicioso que a Pipoca Moderna cansou de martelar em diversos posts: ênfase na produção e descaso com a exibição do cinema brasileiro.

Ao todo, foram produzidos 881 filmes nacionais desde 2012, dos quais 438 tiveram média de 3,65 mil ingressos vendidos. Ou seja, metade dos filmes produzidos nos últimos cinco anos não rendeu nem R$ 50 mil. Entretanto, devem ter custado bem mais que isso para serem produzidos.

Entre os filmes lançados nos últimos cinco anos, apenas 30% passaram dos 17 mil espectadores, 16% venderam mais de 100 mil ingressos, 8% encontraram o sucesso com 500 mil espectadores e só 5% foram blockbusters com público superior a 1 milhão – exatamente 48 títulos.

Ao mesmo tempo, o investimento do período em cinema chegou a R$ 3,8 bilhões, por meio do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), um dos mecanismos de apoio ao cinema nacional. Mas, deste montante, apenas 4% foi destinado à distribuição.



“Meus amigos, eu posso afirmar, pela experiência que tenho na área, que dessa maneira não se desenvolve uma indústria do audiovisual”, afirmou o ministro, diante da discrepância.

Segundo Sá Leitão, o fundo do audiovisual tem à disposição, nesse momento, R$ 800 milhões para investimento no cinema. Mas, apesar da constatação do problema, não foram anunciadas mudanças na distribuição do valor.

Confira neste link mais dados oficiais da apresentação, e abaixo as lâminas com os resultados mencionados acima.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings