Atriz de Homem-Aranha: De Volta ao Lar entra em Vingadores: Guerra Infinita e pode virar super-heroína


A atriz chinesa Tiffany Espensen, que teve uma pequena participação em “Homem-Aranha: De Volta ao Lar”, vai repetir seu papel como Cindy em “Vingadores: Guerra Infinita”. Adiantada pelo site IMDb, a escalação disparou um rumor interessante, que lembra a existência de uma super-heroína chamada Cindy no universo dos quadrinhos do Aranha.

O próprio IMDb jogou lenha no boato em seu Twitter, ao perguntar se o nome Cindy Moon lembrava algo, junto de um vídeo sobre a escalação. Veja abaixo.

Nos quadrinhos, Cindy Moon era uma estudante da escola da Peter Parker, que foi picada pela mesma aranha radioativa que deu poderes ao Homem-Aranha. Se os leitores mais velhos não lembram dessa história, é porque se trata de uma retcon, a famigerada sigla em inglês que significa “continuidade retroativa”, um jargão usado para justificar alterações recentes em histórias muito antigas. A presença de Cindy na história de origem do Aranha só foi revelada em 2014, quando o roteirista Dan Slott e o desenhista Humberto Ramos criaram a personagem.

Ao ganhar superpoderes ligeiramente diferentes dos obtidos pelo Homem-Aranha, ela vira (não, Mulher-Aranha é outra personagem) a heroína Silk – ou Teia de Seda, uma péssima ideia dos tradutores brasileiros, que poderiam ter mantido o nome original como, por exemplo, Batman.

Detalhe: assim como a atriz Tiffany Espensen, nascida na China e adotada por um casal americano, a personagem da Marvel é asiática. Se bem que a escalação maluca do elenco coadjuvante de “Homem-Aranha: De Volta ao Lar” mostrou que isso pouco importa… – o loiro Flash Thompson virou latino, o branco adulto Ned Leeds virou adolescente asiático, a morena Betty Brant se tornou loira, a loira Liz Allen virou negra, etc.



Em “Homem-Aranha: De Volta ao Lar”, a personagem de Espensen não tem seu sobrenome revelado. A Marvel ainda não se manifestou sobre o assunto.

“Vingadores 3: Guerra Infinita” chega aos cinemas brasileiros em 26 de abril.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings