Robert Pattinson choca Festival de Cannes com demonstração frenética de talento

 

O Festival de Cannes entrou em choque com a exibição de “Good Time”, dos irmãos Ben e Joshua Safdie (“Amor, Drogas e Nova York”), os mais jovens diretores da competição. Não apenas pelo ritmo frenético – hipnótico! – do thriller, mas porque Robert Pattinson (“Mapas para as Estrelas”) finalmente comprovou o que os fãs sempre disseram: ele é um grande ator. O talento demonstrado em cena é inegável. Mas “Good Time” também aponta que ele poderia encabeçar blockbusters, tamanha energia que transmite em cena.

O detalhe é que, para Pattinson chegar nesse ponto, o mundo precisou esquecê-lo. Isto se explica pela forma como “Good Time” foi realizado.

“Foram filmagens no estilo guerrilha”, o ator descreveu no encontro com a imprensa do festival, contando que as cenas foram rodadas à noite, nas ruas de Nova York, em meio à população comum. “Eu me vi tentando passar por fantasma no meio da multidão”, contou. “Por isso eu fiquei um pouco preocupado com os paparazzi. Mas ninguém percebeu que era eu no trem, em plena hora do rush!”.

“Foi uma loucura. Nunca estive em uma filmagem sem uma foto sequer de celular sendo tirada durante a filmagem inteira”, continuou, evocando seu passado de chamariz de paparazzi, durante a fase da franquia “Crepúsculo”.

A tática de guerrilha também envolveu algumas situações arriscadas, ele revelou. “Filmamos em uma sala de emergência de um hospital sem permissão. É incrível o que você consegue fazer impunemente sem pedir permissão. Você simplesmente entra, faz e pronto”, disse o ator, que resumiu assim a experiência: “Esse filme é como um carro desgovernado. Não há freios para Connie, nem para a ousadia dos Safdie”.

Connie é o nome do personagem do ator, um jovem trapaceiro que se acha mais esperto que os outros, usando seu carisma e a capacidade de improvisação para se safar em momentos de pressão. Após a fuga de um roubo a uma agência bancária dar errado, seu irmão e cúmplice com problemas mentais (vivido pelo diretor Ben Safdie) acaba preso e ele precisa correr contra o tempo para levantar dinheiro para a fiança e evitar o pior, atirando-se numa espiral de violência e destruição. A ação não para. E nem a música pulsante.

Pattinson tinha se impressionado com o filme anterior dos Safdie, “Amor, Drogas e Nova York”, e os procurou se propondo a fazer o que eles quisessem, “seja servindo comida ou fazendo um papel no filme”, revelou Joshua Safdie. Graças a esse comprometimento, os diretores indies puderam contar com o primeiro astro de suas carreiras. E a parceria deu mais que certo.

A opção de filmagem em estilo quase documental, em meio às ruas de Nova York, aproxima o longa dos thrillers urbanos dos anos 1970, época de clássicos de Martin Scorsese, William Friedkin, Michael Cimino e Sidney Lumet. Em comum com os thrillers da época, também há o fato de Pattinson viver um personagem marcante.

“Nossos filmes nascem a partir dos personagens que imaginamos. Criamos biografias para eles desde o primeiro momento, o que torna o processo de construção do roteiro muito longo”, contou Joshua.

Mas eles compartilham os créditos de “Good Time” com seu astro. “Pattinson é quase um terceiro irmão Safdie neste filme”, reforça o diretor. “Ele tem praticamente a coautoria do filme, que, desde o primeiro minuto, é uma descida ao Inferno”.

Comente

Chris Thomas é uma eterna estudante de cinema com algumas pós-graduações e radicada em Paris há uma década.

Back to site top
Change privacy settings