Malasartes e o Duelo com a Morte será o filme com mais efeitos visuais do Brasil



“Malasartes e o Duelo com a Morte” será o filme com a maior quantidade de efeitos visuais já feito no Brasil. Em entrevista ao jornal O Globo, o diretor Paulo Morelli (“Cidade dos Homens”) afirma que cerca de 40% da aventura protagonizada pelo personagem dos folclores português e brasileiro utiliza computação gráfica.

É justamente por isso que o filme, rodado há dois anos, ainda está em pós-produção, finalizando os efeitos na sede da produtora O2 Filmes. Orçado em R$ 9,5 milhões, “Malasartes e o Duelo com a Morte” investiu cerca de R$ 2 milhões desse total em efeitos especiais. E vídeos da O2, que podem ser vistos abaixo, revelam os bastidores deste trabalho.

A trama gira em torno do matuto caipira Pedro Malasartes, que enfrenta ao mesmo tempo o irmão de sua namorada, a Morte e a Parca Cortadeira. Jesuita Barbosa (“Praia do Futuro” e minissérie “Nada Será Como Antes”) vive o herói do título, Milhem Cortaz (“O Lobo Atrás da Porta”) é Próspero, o irmão de Áurea, por sua vez vivida por Isis Valverde (“Faroeste Caboclo” e novela “A Força do Querer”). A Morte é encarnada por Júlio Andrade (“Redemoinho” e minissérie “Justiça”) e a Parca Cortadeira encarnada por Vera Holtz (“TOC: Transtornada Obsessiva Compulsiva” e novela “A Lei do Amor”).

O elenco ainda inclui Leandro Hassum (“Até que a Sorte nos Separe”), Augusto Madeira (“Uma Loucura de Mulher”), Luciana Paes (série “3%”) e Julia Ianina (série “1 Contra Todos”).

Além da versão para o cinema, o filme também renderá uma minissérie com três capítulos, com exibição prevista para dezembro na Globo. A diferença ficará por conta de 15 minutos de cenas exclusivas, que foram cortadas do filme para evitar que ficasse longo demais. A projeção de cinema terá 98 minutos, com estreia prevista para 10 de agosto.





Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.



Back to site top
Change privacy settings