Divulgação/Vitrine Filmes

Retrospectiva: Os 15 melhores filmes brasileiros de 2016

O cinema brasileiro chamou mais atenção no tapete vermelho que nas telas em 2016. O protesto da equipe de “Aquarius” no Festival de Cannes, contra o “golpe” que acabou com a democracia no Brasil (“O Brasil não é uma uma democracia” foi um dos cartazes erguidos, em inglês), monopolizou debates antes da revelação da existência de um departamento de propinas na principal empreiteira do país – que elegeu a presidente deposta, orientava criações de leis e estava por trás da política de obras do país. Na prática, enquanto o filme de Kleber Mendonça Filho denunciava uma empreiteira nas telas, fora delas o diretor defendia um governo corrompido pela maior delas, num paradoxo que vai ficar na história como símbolo de cooptação cultural típica do populismo latino-americano.

A controvérsia serviu, no entanto, para ofuscar o que mais esteve nas telas. Ao menos 15 filmes foram melhores que a escolha oficial do Ministério da Cultura para representar o país no Oscar. A maioria, inclusive, passou longe das tendências dominantes do mercado: há apenas uma comédia (“O Roubo da Taça”) e uma cinebiografia (“Mais Forte que o Mundo – A História de José Aldo”) listadas – ambas, por sinal, ótimas. Entre os registros, vale destacar o talento fantástico da dupla Marcos Dutra (“O Silêncio do Céu”) e Juliana Rojas (“Sinfonia da Necrópole”) agora em longas individuais, a qualidade dos documentários (“Cinema Novo” e “Menino 23”), a consagração internacional da safra (“Aquarius”, “Boi Neon”, “Campo Grande”, etc) e a excelência contínua de Domingos Oliveira (“BR 176”), que segue vencendo festivais com 80 anos de aperfeiçoamento de vida.