Roteirista de Até que a Sorte nos Separe rompe com a Globo durante a criação de nova série

O roteirista Paulo Cursino, responsável pelas duas franquias mais bem-sucedidas da atual onda besteirol do cinema brasileiro, “De Pernas pro Ar” e “Até que a Sorte nos Separe”, brigou com a rede Globo durante o desenvolvimento de uma nova série de comédia.

O desentendimento aconteceu em torno do projeto “A Cara do Pai”, desenvolvido por ele desde o ano passado. O projeto foi aprovado e, em agosto, Cursino recebeu a encomenda de escrever mais 12 episódios em tempo recorde. Segundo disse ao colunista Flávio Ricco, do UOL, o trabalho deveria ser feito “sem equipe e em menos de três meses”. Ele acabou não aceitando as condições impostas e, diante do impasse, preferiu se afastar do projeto e se desligar da Globo.

Mesmo assim, a Globo mantém a estreia do programa para dezembro, com apenas os quatro episódios já escritos, estrelados por Leandro Hassum (“Até que a Sorte nos Separe”) e Mel Maia (“Qualquer Gato Vira-Lata 2”). A ideia é continuar a produção com novos capítulos numa 2ª temporada, que estará sob responsabilidade de Daniel Adjafre (das séries “S.O.S. Emergência” e “Batendo o Ponto”).

Cursino estava há quase 20 anos na emissora carioca, tendo escrito inúmeros episódios para séries como “Sob Nova Direção”, “A Grande Família”, “Sai de Baixo” e “SOS Emergência”, entre outras.

O efeito colateral dessa mudança é que ele agora terá mais tempo para escrever besteiróis para o cinema. Como estava envolvido com “A Cara do Pai”, este ano só emplacou “O Suburbano Sortudo”, que estourou nas bilheterias. Mas já tem engatilhado “Divórcio 190” para março, com direção de Pedro Amorim (“Superpai”). Além disso, atualmente escreve a cinebiografia do comediante Mussum.

Detalhe: seus besteiróis costumam ser coproduções da Globo Filmes.