Continuação de Jack Reacher, A Chegada e Elis disputam os cinemas nesta semana

Com o circuito lotado de blockbusters, nenhum lançamento desta quinta (24/11) conseguiu encontrar muitas salas. Com isso, acabou acontecendo uma distribuição mais harmônica entre as principais estreias da semana. Na prática, isto significa maior variedade de opções nos grandes shoppings das cidades brasileiras.

A distribuição mais ampla ficou com “Jack Reacher – Sem Retorno”, em que Tom Cruise volta viver o ex-militar invocado que bate em coadjuvantes pouco expressivos, em 370 salas. Lançado há um mês nos EUA, o filme levou porrada da crítica, com apenas 32% de aprovação, e teve um faturamento decepcionante de US$ 56,9 milhões. Para evitar prejuízo, a produção precisa fazer sucesso internacional. E apesar da falta de salas, chega no Brasil em mais telas que o primeiro longa da franquia, que abriu com 217 cinemas em 2012.

A segunda maior estreia é a sci-fi “A Chegada”, que teve desempenho bem melhor nos EUA. Uma das ficções científicas mais bem-avaliadas do ano, foi aplaudida em pé no Festival de Cannes e obteve 93% de aprovação da crítica americana. A produção aposta na inteligência do público, que precisa desvendar um enigma intergaláctico junto com a protagonista. Na trama, Amy Adams (“Batman vs Superman”) vive uma linguista convocada pelo governo americano para determinar as intenções de uma nave alienígena que pousou nos EUA, enquanto outras naves descem em outros países. Sua chegada acontece em 268 salas pelo país.

A cinebiografia “Elis”, que desfila os greatest hits da vida de uma das maiores cantoras da MPB, chega com praticamente o mesmo alcance, em 244 salas. O filme de Hugo Prata é para fãs, com muitas músicas, poucas polêmicas e estrutura convencional, prontinho para virar minissérie da Globo como outras produções do gênero. Só não é um desperdício completo pelo desempenho de Andreia Horta, que supera expectativas na “encarnação” da cantora gaúcha e foi merecidamente premiada como Melhor Atriz no Festival de Gramado.

O terror “O Quarto dos Esquecidos” leva os clichês de uma casa velha, isolada, mal-assombrada e recém-habitada por uma nova família a 175 salas. O público já deveria saber onde esse resumo vai parar antes de entrar na fila do cinema, mas aqui vai uma dica: 0% de aprovação pela crítica americana. Mesmo com Kate Beckinsale no papel principal e um diretor que costumava assinar blockbusters, D.J. Caruso (“Paranoia” e “Controle Absoluto”), responsável pelo vindouro “xXx: Reativado”, o filme implodiu com uma bilheteria total de US$ 2,4 milhões – valor mundial!

Com alcance mediano, “Rainha de Katwe” chega a 31 salas. Cheio de boas intenções e frases de auto-ajuda, o filme mostra uma menina africana pobre que, desafiando todas as improbabilidades, torna-se uma campeã de xadrez – esporte que é mais popular que o futebol, segundo o longa. Trata-se de uma fábula encantada da Disney. Ou melhor, a versão infantil de uma história real, em que a miséria surge lindamente fotogênica. O elenco destaca Lupita Nyong’o (“12 Anos de Escravidão”) como a mãe da jovem e David Oyelowo (“Selma”) como seu treinador. A crítica americana degustou, com 92% de aprovação, mas o público não engoliu, com apenas US$ 8,7 milhões de rendimentos.

Principal destaque do circuito limitado, o primeiro filme estrelado por astros franceses do canadense Xavier Dolan chega em apenas seis salas no Rio e em São Paulo. E o elenco de “É Apenas o Fim do Mundo” é um luxo: Gaspard Ulliel (“Saint Laurent”) tem o papel principal, como um jovem que decide reencontrar a família, formada por Léa Seydoux (“007 Contra Spectre”), Marion Cotillard (“Macbeth”), Vincent Cassel (“Em Transe”) e Nathalie Baye (“Uma Doce Mentira”), após muitos anos, para comunicar que irá morrer. Vencedor do Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes, o filme foi escolhido como representante do Canadá na busca por uma indicação ao Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira.

Há ainda o argentino “O Ardor”, misto de drama indigenista, faroeste caboclo e aventura exótica, em que um xamã vivido por Gael Garcia Bernal (“Neruda”) tenta salvar uma herdeira, interpretada por Alice Braga (série “The Queen of South”), sequestrada por matadores de aluguel numa região de fronteira e floresta. O circuito não foi revelado.

Em exibição em três salas, o documentário “De Palma” leva aos cinéfilos de São Paulo, Rio e Fortaleza um mergulho na obra do diretor Brian De Palma (dos clássicos “Scarface”, “Dublê de Corpo”, “Carrie, a Estranha”, “Os Intocáveis”, “Missão Impossível”, etc), realizado por dois outros cineastas e fãs assumidos, Noah Baumbach (“Mistress America”) e Jake Paltrow (“Os Mais Jovens”), e com 96% de aprovação da crítica americana.

Completam o circuito dois longas brasileiros do mesmo diretor, lançados com exclusividade no Caixa Belas Artes, em São Paulo:“Hector” e “Toro”, ambos com direção de Edu Felistoque.

Clique nos títulos dos filmes para assistir aos trailers de cada lançamento.