Reboot feminino de Caça-Fantasmas dará prejuízo milionário


Bye bye franquia. O reboot feminino de “Caça-Fantasmas” virou um grande fracasso e vai assombrar as contas do estúdio Sony por um bom tempo. Segundo reportagem da revista The Hollywood Reporter, a produção deve fechar sua passagem pelos cinemas com um prejuízo de mais de US$ 75 milhões, criando um buraco financeiro considerável.

O longa teve um orçamento de US$ 144 milhões de produção e um custo não revelado de marketing, que deve ter elevado os gastos para cima dos US$ 200 milhões. Mas, até o momento, “Caça-Fantasmas” arrecadou apenas US$ 180 milhões mundialmente, dos quais US$ 117 milhões foram faturados dentro dos EUA.

O filme ainda não estreou em alguns territórios estratégicos, como a França, o Japão e o México, mas foi vetado pelo governo chinês e não poderá ser lançado no segundo maior mercado cinematográfico do mundo. Por conta disso, o longa não deve ultrapassar os US$ 230 milhões nas bilheterias mundiais.



O fiasco financeiro joga por terra os planos de continuar a franquia. As atrizes Melissa McCarthy, Kristen Wiig, Leslie Jones e Kate McKinnon tinham contrato assinado para mais duas sequências, que agora não devem mais ocorrer.

O público rejeitou a ideia do reboot feminino da franquia desde o primeiro trailer, forçando um trabalho intenso de relações públicas do estúdio (outra despesa) para virar o jogo. Houve uma clara tentativa de colar no caça-níqueis a ideia de que se tratava de uma obra de afirmação de gênero. Por esta lógica, quem não gostasse, deveria ser machista. Não colou.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings