Guilherme Fontes pretende inscrever Chatô à vaga brasileira no Oscar



Enquanto alguns cineastas retiram as candidaturas de seus filmes, Guilherme Fontes anunciou que pretende inscrever “Chatô, o Rei do Brasil” na comissão que irá definir o candidato brasileiro ao Oscar 2017.

E pode vencer, considerando a forma antipática que está tomando a tática de politização escolhida pelo diretor de “Aquarius”, Kleber Mendonça Filho, para conquistar a vaga. Colocando-se como vítima de retaliações, após denunciar que “O Brasil não é mais uma democracia”, com cartazes durante o Festival de Cannes, Filho passou a atacar um crítico escolhido para integrar a comissão, por ele ter se manifestado contra a photo-op francesa, e conseguiu engajar outros cineastas, culminando na desistência de “Boi Neon”, de Gabriel Mascaro, e “Mãe Há Só Uma”, de Anna Muylaert, em protesto solidário.

Embora alguns imaginassem que ele próprio pudesse renunciar à candidatura de “Aquarius”, aumentando o tom de denúncia, Filho aproveitou para dizer que se mantém na disputa, agora sem dois rivais de peso.



Só não contava com um filme mítico, surgindo das cinzas. “Assim como os concorrentes, ‘Chatô’ tem grandes qualidades e foi feito com muito esforço”, disse Fontes ao jornal Folha de S. Paulo. “São mais de 30 críticas excepcionais. Acho que meus técnicos e atores, que tanto se empenharam, merecem.”

O diretor não quis comentar a polêmica envolvendo a comissão, mas considera que a conquista da vaga seria uma reviravolta completa da trajetória da produção. A cinebiografia de Assis Chateaubriand virou lenda na história do cinema nacional por ter demorado 20 anos para ser concluída, desde que Fontes começou a produzir o projeto, em 1995.

O diretor foi acusado de irregularidade no uso de dinheiro público pela demora em concluir o filme, que a certa altura parecia não existir, chegando a ser multado em R$ 66,2 milhões. Mas a estreia no fim de 2015 mudou tudo. Elogiado pela crítica, isentado pelo Tribunal de Contas da União, uma eventual escolha de “Chatô” seria um epílogo digno da mitologia que cerca sua produção.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings