Festival de Veneza começa com filme americano e ambição de antecipar o Oscar 2018

Festival de Veneza começa com filme americano e ambição de antecipar o Oscar 2018

 

O Festival de Veneza 2017, que inicia nesta quarta (30/8) com uma sessão de “Downsizing”, de Alexander Payne, programou grandes estreias de mestres europeus e asiáticos, mas embute uma competição paralela entre os americanos.

Os Oscars conquistados por filmes que estrearam em Veneza em anos recentes, como “Gravidade” (2013), “Birdman” (2014), “Spotlight” (2015) e “La La Land” (2016), consagraram o festival italiano como o ponta-pé inicial das candidaturas à premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos.

Não por acaso, os americanos que exibirão seus filmes em Veneza também estarão no Festival de Toronto, buscando ainda mais visibilidade. Entre os selecionados, incluem-se a comédia “Suburbicon”, dirigida por George Clooney, a fantasia “A Forma da Água” (The Shape of Water), de Guillermo del Toro, o terror “Mãe!”, de Darren Aronofsky, e o mencionado “Downsizing”, que recebeu o título “Pequena Grande Vida” no Brasil – perdendo sua metáfora econômica.

Curiosamente, nenhum deles é um drama, gênero mais afeito aos Oscars.

Combinação de sátira econômica e fantasia sci-fi, o filme de Payne é estrelado por Matt Damon (que também está no longa de Clooney) e Kristen Wiig, como um casal que decide se submeter a um procedimento de miniaturização, na esperança de assim contribuir para a preservação do planeta e, ao mesmo tempo, levar uma existência financeiramente mais confortável. Alimentar-se de migalhas ao longo de um ano custa menos que um simples prato de almoço, por exemplo.

“É um filme surpreendente, dá o tom exato do festival”, disse Alberto Barbera, diretor artístico da mostra italiana, em entrevista coletiva. “Se há um tema dominante na seleção de filmes deste ano, é o das famílias em crise, como reflexo do que acontece fora dela, na economia, na vida social, no meio ambiente. O momento que atravessamos tem feito a maior parte dos cineastas demonstrar preocupação em relação à sociedade contemporânea e ao futuro do planeta. São filmes de diferentes gêneros, ambientados em diferentes épocas, mas todos trabalham com a realidade”.

Entre as atrações não hollywoodianas, Veneza terá a estreia de “Mektoub, My Love: Canto Uno”, novo trabalho do cineasta tunisiano Abdellatif Kechiche, vencedor da Palma de Ouro de Cannes por “Azul É a Cor Mais Quente” (2013), de Foxtrot”, o segundo longa de Samuel Maoz, após o diretor vencer o Leão de Ouro com sua estreia, “Lebanon” (2009), além de filmes do artista chinês Ai Weiwei (“Human Flow”), do cineasta japonês Hirokazu Koreeda (“The Third Murder”) e nada menos que quatro longas italianos: “The Leisure Seeker”, de Paolo Virzì, “Ammore e Malavita”, dos irmãos Manetti (foto do post), “Hannah”, de Andrea Pallaoro, e “Una Famiglia”, de Sebastiano Riso.

O ponto negativo é a baixa presença feminina: apenas uma mulher — a chinesa Vivian Qu — teve um longa selecionado para a mostra principal do Festival.

O Brasil aparece representado pela coprodução internacional “Zama”, drama de época dirigido pela argentina Lucrecia Martel, que será exibido fora da competição. O filme tem Matheus Nachtergaele no elenco e investimento da produtora brasileira Bananeira Filmes.

Entre as homenagens previstas, os atores americanos Jane Fonda, 79, e Robert Redford, 80, receberão um prêmio pelas realizações de suas carreiras. Por “coincidência”, os dois acabam de filmar um novo trabalho juntos, o drama “Our Souls at Night”, produção da Netflix que convenientemente será exibida depois da cerimônia de entrega do prêmio.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna