Novo filme do diretor de Esquadrão Suicida com Will Smith ganha primeiro teaser

Novo filme do diretor de Esquadrão Suicida com Will Smith ganha primeiro teaser

 

A Netflix divulgou o primeiro teaser de “Bright”, superprodução que volta a juntar Will Smith e o diretor de “Esquadrão Suicida”. A prévia inicia como um filme de gangues, com Will Smith uniformizado num carro patrulha da polícia, atravessando zonas de aparentes protestos raciais, antes que o clima mude completamente, introduzindo monstros e efeitos visuais de sci-fi.

Com direção de David Ayer, “Bright” também inclui em seu elenco Joel Edgerton (“Aliança do Crime”), Edgar Ramírez (“A Garota no Trem”), Lucy Fry (série “11.22.63”) e Noomi Rapace (“Prometheus”), vista como uma espécie de elfa no vídeo.

O roteiro de Max Landis (“Victor Frankenstein”) se passa em um mundo de fantasia, onde os seres humanos co-existem com fadas e Orcs, mas não numa era medieval como nas aventuras da Terra Média. A ação se passa em cenários contemporâneos do século 21. Na verdade, a sinopse evoca uma espécie de “Nação Alien” (1988) dos contos de fada.

Ward (Will Smith), um ser humano, e Jakoby (Joel Edgerton), um orc, embarcam numa patrulha noturna de rotina que irá alterar o destino do planeta. Lutando tanto com suas próprias diferenças pessoais quanto contra seus inimigos, eles devem trabalhar juntos para proteger uma jovem elfa e uma relíquia perdida, que em mãos erradas pode destruir o mundo.

A produção representa o mais caro investimento da Netflix num único filme. Só o roteiro custou US$ 3 milhões, numa das mais caras aquisições dos últimos anos da indústria cinematográfica. Além disso, US$ 45 milhões serão destinados ao pagamento dos cachês, inclusive o salário de Will Smith, e mais US$ 45 milhões cobrirão as despesas de filmagens.

A prévia até brinca ao sugerir que o filme vai estrear “em breve nos”… rapidamente trocado para “em breve na”. Netflix, é claro. A previsão, por sinal, é de um lançamento em dezembro.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna