Estreias da semana: Cinemas recebem zumbis, médiums e Deuses do Egito

Estreias da semana: Cinemas recebem zumbis, médiums e Deuses do Egito

 

A programação dos shoppings desta semana é para rir. Muitas comédias – e premissas que viram cômicas sem querer – entram simultaneamente em cartaz. O que não significa que sejam lançamentos engraçados. Nenhum é.

O maior lançamento pertence à “Deuses do Egito”, que vai testar nos cinemas a tese de que é possível ignorar o elefante na sala. No caso, em 829 salas. O filme é uma aventura escapista, cheia de efeitos visuais, escrita por Matt Sazama e Burk Sharpless, os autores de “Drácula: A História Nunca Contada” (2014) e “O Último Caçador de Bruxas” (2015), e como estes se revela uma história genérica de filme B tratada como superprodução. Não bastasse a unidimensionalidade da trama estilo videogame, a escalação de atores loiros para viver egípcios – de deuses a escravos – transforma o longa num caso exemplar da incapacidade de Hollywood para lidar com a diversidade em pleno século 21. Por coincidência, a estreia acontece no fim de semana do Oscar mais racialmente engajado de
todos os tempos.

Uma controvérsia diferente espreita o público de “Como Ser Solteira”, comédia escrachada que entende machismo como conquista feminina. Na trama, Dakota Johnson (“Cinquenta Tons de Cinza”) recebe dicas da desbocada Rebel Wilson (“A Escolha Perfeita”) sobre como ser sensual e fazer os homens pagarem suas bebidas. O conceito é “Sex and the City” – baseado num livro de Liz Tuccillo, ex-roteirista da série da HBO – , mas com uma moral da história similar ao arrependimento que acompanha as ressacas. Em exibição em 187 salas.

Outro besteirol americano, “Orgulho e Preconceito e Zumbis” faz paródia do romance clássico de Jane Austen, transformando a heroína romântica Elizabeth Bennet (interpretada pela “Cinderela” Lily James) numa espadachim lutadora de artes marciais, que prefere enfrentar zumbis a seguir a etiqueta social. Provou-se um grande fiasco comercial nos EUA, como a outra adaptação pós-engraçadinha do mesmo escritor, “Abraham Lincoln: Caçador de Vampiros” (2012). Entra em 92 salas.

Estreia em Hollywood do diretor brasileiro Afonso Poyart, o thriller “Presságios de um Crime” junta o FBI e um médium na caça de um serial killer com poderes psíquicos. Se a premissa não empolga é porque já foi filmada antes, em “Instinto Fatal” (1990). No elenco, estão alguns atores que costumavam ter prestígio, como Anthony Hopkins (“Thor”) e Colin Farrell (série “True Detective”), mas mesmo assim deve ser lançado direto em DVD nos EUA. Por aqui, chega em 103 salas.

Os shoppings ainda recebem a comédia brasileira “Amor em Sampa”, terceira produção realizada em família por Bruna Lombardi, seu marido e seu filho. Além de os três estrelarem o longa, também compartilharam sua criação. A atriz escreveu a trama, que teve a direção dividida entre Carlos Alberto e Kim Riccelli. Seguindo a fórmula das comédias românticas de histórias paralelas, o filme acompanha cinco narrativas que se entrelaçam em cenários paulistas, rumo ao lugar-comum. O mote é uma campanha publicitária sobre uma São Paulo idealizada, em que os motoristas de táxi não estão em pé de guerra e até cantam. isto mesmo: é um musical. Estreia em 80 salas.

Por coincidência, o drama brasileiro “Ela Volta na Quinta” também é estrelado pela família do diretor André Novais Oliveira, mas o resultado é bem diferente, discutindo, na linha clássica de “Era uma Vez em Tóquio” (1953), a impessoalidade nas relações familiares. Premiado na Semana dos Realizadores de 2014, o filme tem exibição restrita a nove salas.

O circuito limitado traz outros dois filmes premiados de 2014. O húngaro “White God”, que estranhamente manteve o título internacional, venceu a mostra Um Certo Olhar do Festival de Cannes, apresentando um violenta revolução canina nas ruas de uma metrópole, enquanto o filipino “Do que Vem Antes”, vencedor do Festival de Locarno e da Mostra de São Paulo, é uma maratona em preto e branco de Lav Diaz, com mais de 5 horas passadas no campo, durante a instalação da ditadura no país, via Lei Marcial, em 1972. O primeiro será exibido em três salas, em São Paulo e Recife, e o segundo apenas em duas, em São Paulo e Rio de Janeiro.

Para completar, numa iniciativa louvável, o espaço Itaú vai exibir gratuitamente o documentário “A Paixão de JL”, de Carlos Nader, vencedor do festival É Tudo Verdade, em seis cidades em que possui salas. O Itaú patrocinou a obra, criada a partir dos diários gravados em fitas cassete pelo artista plástico José Leonilson, registrando seus últimos anos de vida, antes de morrer vítima da Aids em 1993. Tão impactante quanto belo, é um presente para os cinéfilos.

Veja outras sessões gratuitas da semana aqui.

Estreias de cinema nos shoppings

Estreias em circuito limitado

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna