Marvel divulga documento que dará origem ao conflito entre Capitão América e Homem de Ferro

Marvel divulga documento que dará origem ao conflito entre Capitão América e Homem de Ferro

 

A Marvel divulgou o documento conhecido como Acordo de Sokovia, que precipitará um racha entre os Vingadores na trama de “Capitão América: Guerra Civil”. O documento busca oficializar o compromisso dos heróis em seguir as ordens das Nações Unidas, ao invés de agir por conta própria. Ele consiste de uma única página, que contém campos em branco para as assinaturas dos integrantes dos Vingadores.

Como o Capitão América vai se recusar a assinar, o confronto é estabelecido, cabendo ao Homem de Ferro tentar enquadrá-lo. A polarização acabará por rachar os Vingadores, fazendo os heróis se dividirem entre as facções dos dois líderes.

O trailer do filme, divulgado em 25 de novembro, bateu o recorde de visualizações da Marvel, demonstrando a ansiedade do público. Isto se deve ao potencial épico da produção, que junta uma galeria impressionante de super-heróis: Capitão América (Chris Evans), Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), Viúva Negra (Scarlett Johansson), Falcão (Anthony Mackie), Soldado Invernal (Sebastian Stan), Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen), Gavião Arqueiro (Jeremy Renner), Visão (Paul Bettany), Máquina de Combate (Don Cheadle), Homem-Formiga (Paul Rudd), Sharon Carter (Emily VanCamp), Pantera Negra (Chadwick Boseman, de “James Brown”) e até o Homem-Aranha (Tom Holland, de “No Coração do Mar”). Os coadjuvantes de luxo incluem o General Ross (William Hurt, retomando seu papel de “O Incrível Hulk”), além dos vilões Barão Zemo (Daniel Brühl, de “Rush – No Limite da Emoção”) e Ossos Cruzados (Frank Grillo, visto em “Soldado Invernal”). Para completar, ainda há Martin Freeman (“O Hobbit”) num papel não revelado.

Novamente dirigido pelos irmãos Anthony e Joe Russo (“Capitão América: O Soldado Invernal”), o longa estreia em 28 de abril no Brasil, uma semana antes do lançamento nos EUA.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna