Bilheteria: Final de Jogos Vorazes supera estreia de O Bom Dinossauro nos EUA

Bilheteria: Final de Jogos Vorazes supera estreia de O Bom Dinossauro nos EUA

 

O feriado de Ação de Graças, tradicional data de lançamentos de blockbusters nos Estados Unidos, não foi muito festivo para as estreias da semana. “O Bom Dinossauro”, nova animação da Pixar, e o drama de boxe “Creed: Nascido para Lutar” tiveram um desempenho razoável, mas não conseguiram ultrapassar “Jogos Vorazes: A Esperança – O Final”, que se manteve no topo das bilheterias americanas pela segunda semana consecutiva.

A sci-fi distópica estrelada por Jennifer Lawrence faturou US$ 51,6 milhões no fim de semana, chegando bem perto da marca dos US$ 200 milhões em seus primeiros dez dias de exibição no mercado doméstico. Em todo o mundo, a soma já está em US$ 440,7 milhões.

Principal estreia do feriadão, “O Bom Dinossauro”, arrecadou US$ 39,1 milhões no fim de semana, mas chegou a US$ 55,5 milhões com a renda de seu lançamento antecipado na quinta-feira (26/11). “O Bom Dinossauro” é a segunda animação lançada pelos estúdios Pixar a abrir em 2º lugar nos EUA neste ano. As estreias anteriores sempre entraram no topo do ranking, mas até o recente “Divertida Mente” se recuperou após o lançamento, subindo para o 1º lugar em sua terceira semana de exibição.

Em 3º lugar, “Creed”, spin-off da veterana franquia “Rocky”, faturou US$ 30,1 milhões, atingindo US$ 42,6 milhões na soma de quatro dias com sua estreia antecipada. O valor superou as expectativas do estúdio Warner Bros., que produziu o longa com baixo orçamento (não revelado) e se surpreendeu com o apoio recebido de uma imprensa entusiasmada. Com 93% de aprovação no site Rotten Tomatoes, “Creed” obteve algumas das melhores críticas do ano.

Logo em seguida, aparece “007 Contra Spectre”, cujos US$ 176 milhões somados nos EUA não refletem seu desempenho mundial. Ao todo, o novo filme do espião James Bond já conta com US$ 749,5 milhões, o que representa a segunda maior arrecadação da franquia, atrás apenas do bilionário “007 – Operação Skyfall” (2012).

Fechando o Top 5, a animação “Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, o Filme” atingiu US$ 116,7 milhões após quatro semanas em cartaz, numa aritmética de prejuízo – custou US$ 99 milhões em produção e não se sabe quanto mais em marketing. Para piorar, a estratégia da Fox mira um lançamento nos principais mercados internacionais apenas para dezembro, decisão que coloca sua estreia na rota de “Star Wars: O Despertar da Força”, com quem irá competir diretamente em vários países, inclusive no Brasil. Com essa ajuda, Charlie Brown deve manter incólume sua fama de grande perdedor.

BILHETERIA: TOP 10 EUA

[symple_column size=”one-half” position=”first” fade_in=”false”]

1. Jogos Vorazes: A Esperança – O Final
Fim de semana: US$ 51,6 milhões
Total EUA: US$ 198,3 milhões
Total Mundo: US$ 440,7 milhões

2. O Bom Dinossauro
Fim de semana: US$ 39,1 milhões
Total EUA: US$ 55,5 milhões
Total Mundo: US$ 84,2 milhões

3. Creed: Nascido para Lutar
Fim de semana: US$ 30,1 milhões
Total EUA: US$ 42,6 milhões
Total Mundo: US$ 44,8 milhões

4. 007 Contra Spectre
Fim de semana: US$ 12,8 milhões
Total EUA: US$ 176 milhões
Total Mundo: US$ 749,5 milhões

5. Snoopy & Charlie Brown – Peanuts, O Filme
Fim de semana: US$ 9,7 milhões
Total EUA: US$ 116,7 milhões
Total Mundo: US$ 126 milhões

[/symple_column]

[symple_column size=”one-half” position=”last” fade_in=”false”]

6. Sexo, Drogas e Jingle Bells
Fim de semana: US$ 8,2 milhões
Total EUA: US$ 24,1 milhões
Total Mundo: US$ 24,1 milhões

7. Olhos da Justiça
Fim de semana: US$ 4,5 milhões
Total EUA: US$ 14 milhões
Total Mundo: US$ 14 milhões

8. Spotlight
Fim de semana: US$ 4,4 milhões
Total EUA: US$ 12,3 milhões
Total Mundo: US$ 12,3 milhões

9. Brooklyn
Fim de semana: US$ 3,8 milhões
Total EUA: US$ 7,2 milhões
Total Mundo: US$ 7,2 milhões

10. Perdido em Marte
Fim de semana: US$ 3,3 milhões
Total EUA: US$ 218,6 milhões
Total Mundo: US$ 545,1 milhões

[/symple_column]

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna