Divulgação/SBT

Ratinho tem recurso negado em processo contra ex-BBB

Ratinho teve um pedido negado no processo movido contra a ex-BBB Ariadna Arantes, que recebeu o benefício de Justiça gratuita após ter sido condenada a indenizar o apresentador.

A defesa de Ratinho afirmou que Ariadna teria condições de arcar com as custas do processo, pois a influencer “ostenta luxuoso padrão de vida” nas redes sociais. No processo, ainda anexou preços de procedimento estético e de passagens para a Europa, região para onde a influencer se mudou em 2022.

No documento, Ariadna declara ter renda anual de apenas R$ 15 mil. A defesa esclarece que o valor não seria suficiente para pagar as custas processuais, entre R$ 2 mil e R$ 4 mil.

Além disso, os advogados de Ratinho tentaram argumentar que a influencer teria fez insinuações de que o apresentador ganhou a ação judicial por ser influente e porque seu filho é governador do Paraná.

Contudo, a juíza Renata Eliza Fonseca de Barcelos Costa rejeitou o pedido da defesa sob alegação de “argumentos genéricos” e sem comprovação. “Portanto, trata-se de pessoa hipossuficiente economicamente, não podendo fazer frente às custas processuais, sem lesar o próprio sustento e o de sua família”, escreveu a magistrada na sentença.

 
Relembre o caso

Em março deste ano, Ratinho alegou à Justiça que as acusações teriam começado em novembro de 2021, quando a maquiadora saiu em defesa de Anitta, que teve sua carreira musical criticada. A situação teria resultado numa enxurrada de comentários danosos.

Após a decisão judicial, a modelo reclamou no Instagram que o imbróglio não teria sido justo. “Irei recorrer dessa sentença. Não fui ouvida. Não teve audiência. Não foi levado em consideração os fatos de que em um programa ao vivo o mesmo fez brincadeiras com a situação”, disse ela.

Ariadna Arantes ainda explicou que as desavenças começaram em meados de 2011, quando foi convidada ao “Programa do Ratinho” e teria sido destratada por ser uma mulher transexual. Ela acrescentou que o Ratinho é conhecido por desmerecer minorias, como homossexuais, mulheres e transexuais, bem como artistas que lutam por uma sociedade ética e respeitosa.