Instagram/Sara Ziff

Modelo processa Disney por estupro sofrido em 2001

A modelo e ativista Sara Ziff entrou com uma ação no tribunal civil de Nova York nesta quinta-feira (6/4) alegando que foi estuprada quando adolescente por Fabrizio Lombardo, um ex-executivo da Miramax descrito como o “capanga” de Harvey Weinstein. Além de Lombardo, Ziff também está processando a Miramax e a Disney, alegando que as empresas estavam cientes de que Lombardo e Weinstein usavam seus cargos e influência para atrair mulheres.

O processo foi aberto sob a Lei de Sobreviventes Adultos de Nova York, que suspendeu temporariamente a prescrição de violência sexual para vítimas de crimes antigos.

“Hoje dei um passo importante para buscar responsabilidade e, finalmente, avançar para a cura. O que aconteceu comigo aos 19 anos foi um momento catalisador para o trabalho da minha vida”, disse Ziff em um comunicado sobre o processo.

De acordo com seu processo, Ziff era uma modelo de 19 anos e aspirante a atriz quando conheceu Lombardo em 2001. Seu agente recomendou que ela comparecesse a uma exibição do filme “Falcão Negro em Perigo (2001), em Nova York, com Lombardo, que na época era executivo da Miramax. Na exibição, Lombardo prometeu apresentá-la a Harvey Weinstein, que poderia ajudá-la na carreira de atriz.

Segundo o processo, quando chegaram ao hotel, Lombardo a conduziu até a suíte da cobertura. Lá, ela começou a duvidar da situação e, logo em seguida, Lombardo começou a fazer “avanços indesejados” esfregando sua coxa na modelo, enquanto Ziff afastava suas mãos.

“Desesperada para impedir que o Sr. Lombardo a tocasse, mas com medo de perder oportunidades profissionais, a Sra. Ziff deixou claro que tinha namorado e não estava interessada nele”, afirma o processo.

Revoltado com a rejeição da modelo, Lombardo teria forçado Ziff a deitar na cama e a estuprou enquanto ela gritava que não queria ter relações sexuais com ele. Quando terminou, Lombardo ainda teria dito que “era fantástico que uma garota tão nova achasse um homem da idade dele atraente”.

Semanas após o estupro, Lombardo teria convidado Ziff para três reuniões diferentes. Uma delas, inclusive, com Harvey Weinstein e o fotógrafo Patrick Demarchelier.

Segundo os laudos do processo, Ziff compareceu às reuniões porque tinha medo que o Sr. Lombardo usasse suas poderosas conexões na indústria para destruir sua carreira, que ainda estava começo.

“Lombardo nunca teria sido capaz de estuprar a Sra. Ziff se não fosse por sua posição na Miramax e na Disney”, afirma o processo. A Disney, que era dona da Miramax no período, não respondeu aos pedidos de comentários. Harvey Weinstein também é apontado como réu no processo, assim como os atuais proprietários da Miramax.

“Sara Ziff não está acusando Harvey Weinstein de estupro nem alega que houve qualquer má conduta sexual dirigida a ela pelo Sr. Weinstein. Suas alegações de estupro são dirigidas a Fabrizio Lombardo”, disse Imran H. Ansari, advogado de Weinstein. “Sr. Weinstein nega firmemente que tenha qualquer responsabilidade pela suposta conduta de outro”.

Na época da suposta agressão de Ziff, Lombardo era amigo próximo de Weinstein e chefe da Miramax na Itália. Weinstein, inclusive, foi padrinho de casamento de Lombardo em 2003.

Em 2017, a atriz Asia Argento (“Triplo X”) e as modelos Samantha Panagrosso e Zoë Brock alegaram que Lombardo “arrumava” mulheres para Weinstein, atraindo-as para reuniões privadas com o produtor, que as violou.

Argento disse à Variety que, durante o Festival de Cannes de 1997, Lombardo a enganou para que ela fosse ao quarto de Weinstein no Hôtel du Cap-Eden-Roc, onde ela acabou sendo estuprada. A modelo australiana Zoë Brock também afirmou que Lombardo a enganou para ir ao quarto de hotel particular de Weinstein no mesmo festival, onde o magnata do cinema se despiu e a perseguiu pelo quarto.

“Acredito que ele era um capanga do Weinstein e responsável por lhe ajudar a conseguir mulheres”, escreveu a modelo em suas redes sociais.

Em 2017, o diretor de cinema britânico Nigel Cole (“De Repente é Amor”) tuitou sobre um encontro com Lombardo em um almoço no Festival de Cannes de 2003: “Perguntei a ele o que ele fazia por Harvey e ele respondeu que era o seu cafetão”.

Na época das primeiras acusações, Lombardo negou veementemente de que agia como um capanga de Weinstein.

Sara Ziff, por sua vez, tem sido uma forte militante na luta pela equidade de gênero no mundo da moda. Em 2012, ela fundou a Model Alliance, um grupo de defesa de melhores condições de trabalho para modelos e trabalhadores da indústria.

Disney, Lombardo e Miramax ainda não se pronunciaram sobre as acusações.